CABELOS COMO EXTENSÕES: RELAÇÕES PROTÉTICAS, MATERIALIDADE E AGÊNCIA NA ESTÉTICA FUNK CARIOCA

Mylene Mizrahi

Resumo


DOI: http://dx.doi.org/10.12957/tecap.2012.10265

Ao focalizar a estética corporal produzida para facilitar o entrar e sair de diferentes espaços sociais do Rio de Janeiro, argumenta-se que a “a vida social dos objetos” só pode ser considerada se a qualidade de agência for conciliada com a possibilidade que os objetos materiais encerram de ter seu sentido manipulado. É a partir dessa dupla possibilidade que poderemos então falar em uma rede causal formada por humanos e não humanos, ambos causadores de eventos sem, contudo, perder seus estatutos ontológicos diferenciais. Defenderemos, à luz do perspectivismo ameríndio e a partir de uma discussão sobre a mimésis, que os sujeitos são empoderados pelos objetos e que a aparência mais do que a interioridade é central para as interações sociais, como se dão no ambiente urbano brasileiro.


Palavras-chave


BELEZA, CORPO, OBJETOS MATERIAIS, ESPAÇO URBANO, RIO DE JANEIRO.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/tecap.2012.10265

Apontamentos

  • Não há apontamentos.