O ROMANCE COMO REPRESENTAÇÃO: O RIO DE JANEIRO DE LIMA BARRETO

Adriana Carvalho Silva

Resumo


A idéia de que a produção romanesca é uma possibilidade de representação espacial aproxima a Geografia da Literatura. Os romances do escritor Lima Barreto destacados neste artigo são ambientados no Rio de Janeiro entre os séculos XIX e XX, momentos em que a cidade, então Capital Federal, recebe investimentos na intenção de consagrá-la como espaço de modernidade.
O momento é o de construção de um imaginário social acerca do país. Trabalha para isso a produção artística de exaltação ao nacionalismo e de crítica ao próprio processo de consolidação de uma política nacional, predominantemente pautada em valores europeus. Um exercício de percepção dos aspectos da modernidade é feito por Lima Barreto, que usa a escrita para representar seu cotidiano.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/tamoios.2008.653



ISSN: 1980-4490

 Resultado de imagem para logotipo biblioteca nacional     Portal de Periódicos da CAPES