RELAÇÕES TERRITORIAIS ENTRE POVOS INDÍGENAS E AGRONEGÓCIO NO BRASIL: CONFLITOS E RESISTÊNCIAS

Roberta Carvalho Arruzzo, Livia Domiciano Cunha, Liziane Neves dos Santos

Resumo


O presente artigo objetiva analisar as relações territoriais que se estabelecem entre os povos indígenas e o agronegócio no Brasil. Para isso, dialogamos com alguns pensadores que contribuem para a abordagem territorial, sendo eles, essencialmente: Sack (1986), Raffestin (1993) e Santos (1996; 1999). Partimos da construção da noção de relações territoriais para analisarmos as principais relações territoriais conflituosas entre agronegócio e Povo Indígenas no Brasil. Estas relações são analisadas a partir de cinco categorias: jurídico-legislativa, ambiental, invasões territoriais e violências físicas. Por fim, enfocamos as relações territoriais que se estabelecem entre os setores do agronegócio e os Guarani e Kaiowá no Mato Grosso do Sul, entendendo-o como um caso representativo no que se refere às relações sobre as quais este artigo se debruça.


Palavras-chave


Relações Territoriais; Povos Indígenas; Agronegócio; Brasil

Texto completo:

165-185


DOI: https://doi.org/10.12957/tamoios.2022.63879

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

ISSN: 1980-4490

Periódicos Capes Resultado de imagem para logotipo biblioteca nacional