SAÚDE COMO ESCOLHA POLÍTICA: SRAG E SUBNOTIFICAÇÃO NAS CIDADES SUL MINEIRAS

Júlia Marchesin Caetano, Flávio Henrique Calheiros Casemiro

Resumo


A discussão sobre a COVID-19 no contexto brasileiro tem trazido diversos fatores agravantes da forma como a doença tem sido tratada na esfera pública. Apesar de se tratar de uma pandemia, onde o desafio de enfrentamento é mundial, a dimensão da tragédia sanitária brasileira só pode ser compreendida em sua relação com a forma como o governo se posicionou e elaborou suas estratégias de enfrentamento. A desinformação sistemática, a baixa testagem e a subnotificação dos casos são alguns dos elementos que contribuíram para se chegar aos números alarmantes da pandemia no Brasil. Partindo do pressuposto de que saúde configura-se como uma escolha política, o objetivo central deste estudo, por sua vez, é analisar a relação entre as chamadas Síndromes Respiratórias Agudas Graves (SRAG), principalmente as “não especificadas”, como mecanismo deliberado que se insere no processo de subnotificação de casos no Brasil e, mais especificamente, na região sul-mineira.


Texto completo:

187-205


DOI: https://doi.org/10.12957/tamoios.2021.57476

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

ISSN: 1980-4490

Periódicos Capes Resultado de imagem para logotipo biblioteca nacional