CIVILIZAÇÃO NA ENCRUZILHADA: GLOBALIZAÇÃO PERVERSA, DESIGUALDADES SOCIOESPACIAIS E PANDEMIA

Márcio Cataia

Resumo


Interrogo o período da globalização a partir das iniquidades que tem promovido em todo o mundo, com especial atenção para a periferia do sistema, e o seu ocaso com a chegada da pandemia do Covid19. Esse exame coloca foco nas variáveis-chave da globalização, a unicidade da técnica, a convergência dos momentos, a cognoscibilidade do planeta e a existência de um motor único, o lucro. Essa força motriz é analisada ao colocar a competitividade no centro da reflexão. Os agentes da globalização são aludidos para a compreensão de suas estratégias de ação na defesa da globalização perversa. Teoricamente tomo a pandemia como um evento geográfico, porque ele é datado e geografizado. Essa geografização é referida à escala de origem, de onde parte o vetor difusor, e à escala de impacto, o lugar, onde o vetor se horizontaliza para promover situações geográficas. As desigualdades sócioespaciais estão no núcleo do debate sobre as situações geográficas, pois o evento Covid19 se horizontaliza sobre espaços herdados impactados pelo neoliberalismo, o que torna a situação única e dramática. Nesse período de transição para uma outra globalização, o Estado da globalização perversa e o Estado de Direito são politicamente confrontados.


Palavras-chave


globalização perversa; desigualdades sócioespaciais; pandemia Covid19; Estado de insegurança; coronavírus

Texto completo:

232-245


DOI: https://doi.org/10.12957/tamoios.2020.50742



ISSN: 1980-4490

 Resultado de imagem para logotipo biblioteca nacional     Portal de Periódicos da CAPES