BEIJA-FLOR DE NILÓPOLIS E NILÓPOLIS DA BEIJA-FLOR: MECANISMOS DE UMA CONSTRUÇÃO IDENTITÁRIA E DE PODER NA BAIXADA FLUMINENSE

Enderson Alceu Alves Albuquerque

Resumo


De pouca expressão no contexto econômico da Região Metropolitana do Rio de Janeiro (RMRJ), a Escola de Samba Beija-Flor de Nilópolis empresta ao município que a sedia um lugar de destaque no aspecto cultural em escala nacional. Devido a essa característica e a sua importância enquanto formadora de identidade, a agremiação foi apropriada por um grupo familiar que passou a utilizá-la como ferramenta política. Com efeito, o trabalho em questão pretende analisar as articulações e o modus operandi que possibilitaram a esse clã manter o controle político da cidade, tendo como pano de fundo o uso da referida instituição carnavalesca. A investigação apontou que esse domínio se estabeleceu de forma mais assertiva a partir da segunda metade da década de 1970, quando a Escola de Samba passou a ter maior notoriedade nas disputas carnavalescas e foi posteriormente ampliado através da associação estabelecida entre esses membros políticos e às ações sociais promovidas pela Beija-Flor no município.


Texto completo:

162-181


DOI: https://doi.org/10.12957/tamoios.2018.36051



ISSN: 1980-4490

 Resultado de imagem para logotipo biblioteca nacional     Portal de Periódicos da CAPES