A GEOGRAFICIDADE DA ESCOLA E O ENSINO DE GEOGRAFIA

Douglas Santos

Resumo


Ensinar Geografia é muito mais que uma simples discussão pedagógica. Partindo da pergunta que nos obriga a identificar “qual seria o significado das disciplinas” ou, em outros termos, “o que disciplinam as disciplinas” escolares, o presente artigo procura identificar o significado de escola e as razões pelas quais a Geografia continua a ser uma disciplina pertencente à maioria dos currículos. Num diálogo com algumas experiências que desenvolvi tanto no Amapá quanto em Moçambique e, associando a isso, a minha condição de autor de livros didáticos e formador de professores de Geografia, dois aspectos são colocados para o debate: o primeiro deles, refere-se à condição do discurso geográfico estar associado ao conjunto de relações simbólicas que nos permitem construir as noções básicas de localização e pertencimento e, na sequência,  o fato de que a escola também possui uma geograficidade e, portanto, é na tenção relacionada aos lugares (e seus processos) que as identificam que o discurso generalizante da chamada “norma culta” cumpre seu papel geral de dar sentido ao processo civilizatório que pertencemos e insistimos e continuar a construir.

Texto completo:

17 - 29


DOI: https://doi.org/10.12957/tamoios.2014.11626

ISSN: 1980-4490

Periódicos Capes Resultado de imagem para logotipo biblioteca nacional