Amostragem fotográfica dos resíduos sólidos depositados em ambiente costeiro.

Renan Viana Lopes, Izar Aximoff, Antônio Carlos de Freitas, Heloisa Carneiro da Rocha Guillobel

Resumo


O presente estudo propõe um método novo para estudos de quantificação da deposição de resíduos sólidos em ambiente costeiro. Para isso foram comparados (1) o método usual de coleta manual e (2) o método proposto baseado na amostragem fotográfica dos resíduos sólidos depositados na praia da Guanabara, na cidade do Rio de Janeiro, sudeste do Brasil. Não houve diferença estatística significativa entre as duas metodologias de amostragem em relação à quantificação dos resíduos sólidos. Os resíduos plásticos foram responsáveis por 88% e 92% do total identificado respectivamente pela coleta manual e pela amostragem fotográfica, valores considerados acima da média encontrada na literatura. As vantagens de se utilizar a amostragem fotográfica foram: (1) dispensar a coleta dos resíduos, evitando a exposição a produtos contaminantes e cortantes, (2) diminuição em 15 vezes o tempo de trabalho em campo e em laboratório, (3) dispensar a preocupação com espaço para armazenamento, peso e transporte dos resíduos. Sendo assim, a amostragem fotográfica torna-se uma ferramenta prática, eficiente e de fácil acesso para ser utilizada. Esperamos que essa metodologia amplie o número de estudos, e atue também como ferramenta na conscientização social sobre o tema.


Palavras-chave


poluição; resíduos sólidos; fotografia; praia; plástico

Texto completo:

PDF

Referências


Araújo, M. C. B.; Costa, M. (2004). Análise quali-quantitativa do lixo deixado na Baía de Tamandaré – PE - Brasil, por excursionistas. Jornal de Gerenciamento Costeiro Integrado, 3:58–61.

Baptista Neto, J. A.; Gingele, F. X.; Leipe, T.; Brehme, I. (2006). Spatial distribution of trace elements in surficial sediments from Guanabara Bay - Rio de Janeiro/Brazil. Environmental Geology, 49(7):1051-1063. DOI: 10.1016/j.csr.2011.12.003

Baptista Neto, J. A. B.; da Fonseca, E. M. (2011). Seasonal, spatial and compositional variation of beach debris along of the eastern margin of Guanabara Bay (Rio de Janeiro) in the period of 1999–2008. Journal of Integrated Coastal Zone Management, 11:31–39.

Carminatto, A. A.; Matuck, C.; Farrabot, E.; Adami, F. A. C.; Klein, J. A.; Santos, M. G. F.; Barrella, W. (2017). Deposição dos resíduos sólidos em diferentes marés nas praias de Santos - SP, Brasil. Bioscience, 6(4): 233-247.

Carvalho, D. G.; Baptista Neto, J. A. (2016). Microplastic pollution of the beaches of Guanabara Bay Southeast Brazil. Ocean & Coastal Management, 128:10-17. https://doi.org/10.1016/j.ocecoaman.2016.04.009

Corcoran, P. L.; Biesinger, M. C.; Grifi, M. (2009). Plastics and beaches: a degrading relationship. Marine Pollution Bulletin, 58:80-84. DOI: 10.1016/j.marpolbul.2008.08.022

Corrêa, L. F., da Silva, A. L. C., Pinheiro, A. B., Pinto, V. C. S., Macedo, A. V.; Madureira, E. A. L. (2019). Distribuição e fonte de resíduos sólidos ao longo do arco praial de Jaconé - Saquarema (RJ). Revista Tamoios, 15(1): 57 – 79. https://doi.org/10.12957/tamoios.2019.42363

Cózar, A.; Echevarría, F.; González-Gordillo, J. I.; Irigoien, X.; Úbeda, B.; Hermández-León, S.; Palma, Á. T.; Navarro, S.; García-De-Lomas, J.; Ruiz, A.; Fernándes-De-Puelles, M. L. (2014). Plastic debris in the open ocean. Proceedings of the National Academy of Sciences, 111(28):10239-10244.

Derraik, J. G. B. (2002). The pollution of the marine environment by plastic debris: a review. Marine Pollution Bulletin, 44(9):842-852.

DOI: 10.1016/S0025-326X(02)00220-5.

Gall, S. C. e Thompson, R. C. (2015). The impact of debris on marine life. Marine Pollution Bulletin, 92(1-2):170-179. DOI: 10.1016/j.marpolbul.2014.12.041

Geyer, R.; Jambeck, J. R.; Law, K. L. (2017). Production, use and fate of all plastics ever made. Science (Advances), 3(7): 1207-1221.

DOI: 10.1126/sciadv.1700782.

IBGE (2019). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística divulga as estimativas da população dos municípios para 2019.

https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-sala-de-imprensa/2013-agencia-de-noticias/releases/25278-ibge-divulga-as-estimativas-da-populacao-dos-municipios-para-2019. (outubro 2020)

Kehrig, H. A.; Pinto, F.; Moreira, I.; Malm, O. (2003).Heavy metals and methylmercury in a tropical coastal estuary and a mangrove in Brazil. Organic Geochemistry, 34(5):661-669.

DOI: 10.1016/S0146-6380(03)00021-4.

Krelling, A. P.; Williams, A. T.; Turra, A. (2017). Differences in perception and reaction of tourist groups to beach marine debris that can influence a loss of tourism revenue in coastal areas. Marine Policy, 85; 87-99. DOI: 10.1016/j.marpol.2017.08.021

Leite, C. V. T.; Lima, A. P.; Maciel, T. R.; Santos, S. R. B.; Vianna, M. (2018). A Baía de Guanabara é um ambiente importante para a conservação neotropical? Uma abordagem ictiológica. Diversidade e Gestão, v. esp.(2): 76-89.

Mascarenhas, R.; Batista, C. P.; Moura, I. F.; Caldas, A. R.; Costa Neto, J. M.; Vasconcelos, M. Q.; Rosa, S. S.; Barros, T. V. S. (2008). Lixo marinho em áreas de reprodução de tartarugas marinhas no Estado da Paraíba (Nordeste do Brasil). Revista da Gestão Costeira Integrada, 8(2):221-231.

Michel, J. (2000). Assessment and recommendations for the oil spill cleanup of Guanabara Bay, Brazil. Spill Science & Technology Bulletin, 6(1):89-96.

DOI: 10.1016/ S1353-2561(00)00056-6.

Oliveira, A. L.; Tessler, M. G.; Turra, A. (2011). Distribuição de lixo ao longo de praias arenosas – Estudo de caso na praia de Massaguaçu, Caraguatatuba, SP. Revista da Gestão Costeira Integrada, 11(1):75-84.

Santos, I. R.; Friedrich, A. C.; Fillmann, G.; Wallner, M.; Schiller, R. V.; Costa, R. (2004). Geração de resíduos sólidos pelos usuários da praia do Cassino, RS, Brasil. Gerenciamento Costeiro Integrado, 3(1):12-14.

Silva, M. L.; Castro, O. C.; Sales, A. S.; Araújo, F. V. (2018). Marine debris on beaches of Arraial do Cabo, RJ, Brazil: An important coastal tourist destination. Marine Pollution Bulletin, 130:153-158. DOI: 10.1016/j.marpolbul.2018.03.026

Soares, M. L. G.; Chaves, F. O.; Corrêa, F. M.; Silva Jr., C. M. G. (2003). Diversidade estrutural de bosques de mangue e sua relação com distúrbios de origem antrópica: o caso da Baía de Guanabara (Rio de Janeiro). Anuário do Instituto de Geociências – UFRJ, 16:101-116.

Timbó, M.; da Silva, M. L.; de Oliveira Castro, R.; de Araújo, F. V. (2019). Diagnóstico da percepção ambiental dos usuários das praias de Itaipu e Itacoatiara quanto à presença de resíduos sólidos. Revista de Gestão Costeira Integrada, 19(3):157-166. DOI:10.5894/rgci-n75




DOI: https://doi.org/10.12957/sustinere.2022.59042

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


   Resultado de imagem para blogger icon   

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

ISSN 2359-0424

IBI Factor: 2.2

 

A Revista SUSTINERE está indexada/cadastrada em: