Variáveis fitométricas de macaxeira (Manihot esculenta Crantz) em resposta à aplicação de calagem e gesso agrícola

Ilano Silva Braga do Nascimento, Jehmison de Oliveira Barradas, Leonardo Brandão Araújo, Mauro Junior Borges Pacheco, Thiago Costa Viana, Andreza Mayra Baena Souza de Jesus, Jessivaldo Rodrigues Galvão

Resumo


A ONU elegeu a mandioca como o alimento do século XXI. Apresenta a possibilidade de aproveitamento integral, a folha é aproveitada para alimentação animal e humana, enquanto as manivas podem ser utilizadas para propagação ou silagem. No Brasil a mandioca é cultivada com o mínimo uso de insumos ou nenhum, em sistema de derruba-e-queima, embora apresentando tolerância a acidez e escassez de recursos, o cultivo contínuo, sem reposição dos nutrientes exportados, pode ocasionar o esgotamento das reservas nutricionais e levar a degradação. O objetivo foi avaliar a fitometria das variáveis de Manihot esculenta Crantz, quando submetidas à aplicação de calcário e gesso. O experimento foi realizado em campo, em 2018, na área experimental do Departamento de Solos, pertencente ao Instituto de Ciências Agrárias da Universidade Federal Rural da Amazônia – UFRA, localizada no município de Belém, Pará. O delineamento experimental foi em blocos casualizados, em arranjo fatorial 2x3, com seis repetições, totalizando 36 unidades experimentais. Os fatores foram: 2 variedades de macaxeira (Caeté e Manteiguinha) e 3 correções (calcário, gesso, calcário + gesso). Os tratamentos consistiram da correção do solo com calcário (T1), gesso (T2), e a combinação de ambos (T3), os quais se implantaram as variedades Caeté (C1) e Manteiguinha (C2). As variáveis fitométricas foram: altura da planta (AP), altura da primeira ramificação (APR), matéria fresca das folhas (MFF), matéria seca das folhas (MSF), matéria fresca das estacas (MFE) e índice de colheita (IC). As aplicações isoladas e combinadas de calcário e gesso promoveram resultados significativos para as variáveis analisadas.

A ONU elegeu a mandioca como o alimento do século XXI. Apresenta a possibilidade de aproveitamento integral, a folha é aproveitada para alimentação animal e humana, enquanto as manivas podem ser utilizadas para propagação ou silagem. No Brasil a mandioca é cultivada com o mínimo uso de insumos ou nenhum, em sistema de derruba-e-queima, embora apresentando tolerância a acidez e escassez de recursos, o cultivo contínuo, sem reposição dos nutrientes exportados, pode ocasionar o esgotamento das reservas nutricionais e levar a degradação. O objetivo foi avaliar a fitometria das variáveis de Manihot esculenta Crantz, quando submetidas à aplicação de calcário e gesso. O experimento foi realizado em campo, em 2018, na área experimental do Departamento de Solos, pertencente ao Instituto de Ciências Agrárias da Universidade Federal Rural da Amazônia – UFRA, localizada no município de Belém, Pará. O delineamento experimental foi em blocos casualizados, em arranjo fatorial 2x3, com seis repetições, totalizando 36 unidades experimentais. Os fatores foram: 2 variedades de macaxeira (Caeté e Manteiguinha) e 3 correções (calcário, gesso, calcário + gesso). Os tratamentos consistiram da correção do solo com calcário (T1), gesso (T2), e a combinação de ambos (T3), os quais se implantaram as variedades Caeté (C1) e Manteiguinha (C2). As variáveis fitométricas foram: altura da planta (AP), altura da primeira ramificação (APR), matéria fresca das folhas (MFF), matéria seca das folhas (MSF), matéria fresca das estacas (MFE) e índice de colheita (IC). As aplicações isoladas e combinadas de calcário e gesso promoveram resultados significativos para as variáveis analisadas.


Palavras-chave


Mandioca; Correção do solo; Gessagem; Fitometria

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, A. C. B.; VIANA, A. E. S.; CARDOSO, A. D.; SANTOS, V. S.; LOPE, S. C.; FOGAÇA, J. J. N. L. CARACTERIZAÇÃO DE VARIEDADES DE MANDIOCA DE MESA POR MEIO DE DESCRITORES MORFOLÓGICOS. Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia/UESB, Vitória da Conquista - BA, 2011.

BEZERRA, V.S. Maniva-semente: como selecionar e conservar. Macapá: Embrapa Amapá. 5p. (Comunicado Técnico 125). 2012. Disponível em: http://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/101452/1/Comunicado-Tecnico-125-maniva-semente.pdf. Acesso em: 15/02/2019.

CARDOSO, C. E. L.; SOUZA, J. S. Importância, potencialidades e perspectivas do cultivo de mandioca na América Latina. In: CEREDA, M. P. (Coord.) Agricultura: tuberosas amiláceas Latino Americanas. São Paulo: Fundação Cargill, p. 29-47, 2002. (Série Culturas de Tuberosas Amiláceas Latino Americanas, 2).

CARVALHO, J. L. H. 1983. A mandioca, raiz e parte aérea na alimentação animal. EMBRAPA.

CARVALHO, J. L. H. A mandioca: raiz e parte aérea na alimentação animal. Campinas: CATI, 1994. 9 p.

CARVALHO, V. D.; KATO, M. S. Potencial de utilização da parte aérea da mandioca. Informe Agropecuário, Belo Horizonte, v. 13, n. 145, p. 23-28, 1987.

CONCEIÇÃO, A. J. A mandioca. São Paulo: Nobel, 1983. 382 p.

COQUEIRO, G. R. AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE MANDIOCA AMARELA (Manihot esculenta Crantz) PARA PRODUÇÃO E QUALIDADE NUTRICIONAL DA RAIZ NAS CONDIÇÕES EDAFOCLIMÁTICAS DO NORDESTE DO ESTADO DO PARÁ. 2013. 42 f. Tese (Doutorado em Agronomia). Faculdade de Ciências Agronômicas da Universidade Estadual Paulista “JÚLIO DE MESQUITA FILHO”, Botucatu, 2013.

CRAVO, M. S.; SMYTH, T. J. Atributos físico-químicos e limitações dos solos de áreas produtoras de feijão-caupi no Nordeste do Estado do Pará. In: CONGRESSO BRASILEIRO CIÊNCIA DO SOLO, 30., 2005, Recife. Anais... Recife: SBCS, 2005. 1 CD-ROM.

DETMANN, E. [et al.] (ed.). Métodos para análise de alimentos. Visconde de Rio Branco, MG: Suprema. 2012. 214 p. ISBN 978-858-17-9020-6.

DIAS, M. C.; XAVIER, J. J. B. N.; BARRENTO, J. F.; FUKUDA, W. M. G. Aipim Manteiga: Cultivar de Macaxeira para o Amazonas. Comunicado Técnico 17. ISSN 1517-3887, Manaus-AM, Dezembro, 2003.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA. Cultura da mandioca: aspectos socioeconômicos, melhoramento genético, sistemas de cultivo, manejo de pragas e doenças e agroindústria. Brasília, DF: Embrapa, 2016. ISBN 978-85-7035-621-5. PDF 257 p.; il. color.: 15 cm x 21 cm. Disponível em: https://www.embrapa.br/amazonia-oriental/publicacoes. Acesso em: 15/01/2019.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA. Mandioca em números. Brasília, DF: Embrapa, 2017. Disponível em: https://www.embrapa.br/congresso-de-mandioca-2018/mandioca-em-numeros. Acesso em: 15/01/2019.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA. Manual de métodos de análise de solo. Centro Nacional de Pesquisa de Solos. 2. ed. rev. atual. – Rio de Janeiro, 1997. 212 p.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA. Produção de Biomassa de Mandioca. Mandioca em foco. Embrapa Mandioca e Fruticultura Tropical. n. 34. Cruz das Almas, BA. dez. 2007.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA. SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS. 2ª edição. Embrapa Solos. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Brasília, DF. 2006.

FERREIRA, D. F. Sisvar: a computer statistical analysis system. Ciência e Agrotecnologia (UFLA), v. 35, n.6, p. 1039-1042, 2011.

FERREIRA, G. D. G., OLIVEIRA, R. L., CARDOSO, E. d. C., MAGALHÃES, A. L. R. & BRITO, E. L. 2008. Valor nutritivo de co-produtos da mandioca. Revista Brasileira de Saúde e Produção Animal, 8, 364-374.

FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF UNITED STATES. FAOSTAT: Production Quantity of Cassava in 2017. Dec. 2018. Disponível em: http://www.fao.org/faostat/en/#data/QC. Acesso em: 15/01/2019.

FUKUDA, W. M. G.; GUEVARA, C. L. Descritores morfológicos e agronômicos para a caracterização da mandioca (Manihot esculenta Crantz). Cruz das Almas: EMBRAPA- NPMF, 1998. 38p. (Embrapa-CNPMF. Documentos, 78).

KOTTEK, M.; GRIESER, J.; BECK, C.; RUDOLF, B.; RUBEL, F. World Map of the Köppen-Geiger climate classification updated. Meteorologische Zeitschrift, v. 15, n. 3, p. 259-263, 2006.

LENIS, J. I.; CALLE, F.; JARAMILLO, G.; PEREZ, J. C.; CEBALLOS, H.; COCK, J. H. Leaf retention and cassava productivity. Field Crops Research, v. 95, n. 2-3, p. 126- 134, 2006.

LOZANO, J.C.; TORO, J.C. CASTRO, A.; BELLOTTI, A.C. 1977. Produção de material de plantio de mandioca. Cali, Colombia: Centro Internacional de Agricultura Tropical. 29p.

MIRANDA, L. N.; FIALHO, J. F.; MIRANDA, J. C. C.; GOMES, A. C. Manejo da calagem e da adubação fosfatada para a cultura da mandioca em solo de cerrado. Planaltina, DF: Embrapa Cerrados, 2005. (Embrapa Cerrados. Comunicado técnico, 118).

MODESTO, E. C.; SANTOS, G. T. dos; FILHO, P. S. V.; ZABOM, M. A.; VILELA, D.; JOBIM, C. C.; FARIA, K. P.; DETMANN, E. COMPOSIÇÃO QUÍMICA DAS FOLHAS DE CINCO CULTIVARES DE MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz.) EM DIFERENTES ÉPOCAS DE COLHEITA. Departamento de Zootecnia da Universidade Estadual de Maringá, Maringá – PR, 1999.

OLIVEIRA, S. L. de; COELHO, E. F.; NOGUEIRA, C. C. P. Irrigação. In: Aspectos Socioeconomicos e Agronomicos da Mandioca. Editor: Luciano da Silva Souza...[et al.].-Cruz das Almas:Embrapa Mandioca e Fruticultura Tropical, 2006. P.291-300.

PONTE, C. M. de A. Épocas de colheita de variedades de mandioca. 2008. 108f. Dissertação (Mestrado em Agronomia) – Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Vitória da Conquista.

RIMOLDI, F.; VIDIGAL FILHO, P. S.; VIDIGAL, M. C. G.; CLEMENTE, E.; PEQUENO, M. G.; MIRANDA, L.; KVITSCHAL, M. V. Produtividade, composição química e tempo de cozimento de cultivares de mandioca de mesa coletadas no Estado do Paraná. Acta Sci Agron., Maringá, v. 28, n 1, p. 63-69, 2006.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIÊNCIA DO SOLO. Fertilidade do solo. Viçosa-MG, 2007. 1017p. ISBN 978-85-86504-08-2.

SOUZA, J. Folha de mandioca: alternativa alimentar. 2007. Apud SANTOS, E. F.; CARVALHO, F. S.; SILVA, J. C. G.; REZENDE, A. A.; MIYAJI, M. AGROINDÚSTRIA DA MANDIOCA – O CAMINHO PARA A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA DOS BENEFICIADORES DO BAIRRO CAMPINHOS EM VITÓRIA DA CONQUISTA – BA. In: 47º CONGRESSO SOBER. Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural: Desenvolvimento Rural e Sistemas Agroalimentares: Os Agronegócios no Contexto de Integração das Nações. 2009. Porto Alegre-RS. Apresentação Oral-Agricultura Familiar e Ruralidade. Porto Alegre, RS. 2009.

SOUZA, L. S.; SILVA, J.; SOUZA, L. D. Recomendação de calagem e adubação para o cultivo de mandioca. Cruz das Almas: Embrapa Mandioca e Fruticultura, 2009. 6 p. (Embrapa Mandioca e Fruticultura. Comunicado técnico, 133).

TEZARA, W. et al. Effects of water deficit and its interaction with CO2 supply on the biochemistry and physiology of photosynthesis in sunflower. Journal of Experimental Botany, Oxford, v.53, n.375, p.1781-1791, 2002.

VALLE, T. L. Cruzamentos dialélicos em mandioca (Manihot esculenta Crantz). 1990. 180p. Tese (Doutorado em Agronomia) - Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” da Universidade de São Paulo, Piracicaba.

VALLE, T. L.; ZATARIM, M.; MUHLEN, G. S.; GALERA, J. M. S. V.; FELTRAN, J. C. Variedades e diversidade genética de mandioca (Manihot esculenta Crantz) no Estado de Mato Grosso do Sul. In: XI CONGRESSO BRASILEIRO DE MANDIOCA, 2005, Campo Grande MS. Anais do XI Congresso Brasileiro de Mandioca. Campo Grande MS, 2005.




DOI: https://doi.org/10.12957/sustinere.2019.46126

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


   Resultado de imagem para blogger icon   

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

ISSN 2359-0424

IBI Factor: 2.2

 

A Revista SUSTINERE está indexada/cadastrada em: