Avaliação de riscos ocupacionais de motorista de ônibus intermunicipal: um estudo de caso no Estado do Pará

Wanderson Lyrio Bermudes, Luciano José Minette, José Rodrigo Cunha

Resumo


O transporte urbano é relevante para o deslocamento de pessoas, acessibilidade e permite a integração de diversas áreas econômicas. Apesar da importância o condutor do veículo, nem sempre possui boas condições de conforto, saúde e segurança, tendo no período de 2006 a 2017, no Brasil, o registro de 103.231 acidentes de trabalho para trabalhadores que realizam o transporte urbano com itinerário fixo, intermunicipal, região metropolitana, interestadual e internacional. Diante desse cenário essa pesquisa tem por objetivo quantificar os riscos físicos ruído e vibração de corpo inteiro e o risco ergonômico para a função de motorista no norte do estado do Pará. Para a realização da avaliação do ruído e vibração foi adotado as metodologias das normas de higiene ocupacional 01 e 09 da Fundação Jorge Duprat e Figueiredo e as normas regulamentadoras 09 e 15 do governo federal, para a avaliação do risco ergonômico foi utilizada a metodologia Rapid Entire Body Assessment. Os resultados identificaram o risco de ruído de até 82 dB(A) e a vibração de corpo inteiro máxima de 10,20 m.s-1,75 resultados esses inferiores ao limite de tolerância, porém superior ao nível de ação, que indica a necessidade de adoção de medidas de controle. O risco ergonômico foi avaliado com médio, sendo também recomendado ações de controle. Para controle do risco pesquisas sugerem a manutenção periódica dos veículos, substituição do sistema de suspensão e inclusão do câmbio automático, de modo a tornar o ambiente veicular mais seguros, confortáveis e modernos, compatíveis com a relevância do trabalho.


Palavras-chave


Transporte. Condutor. Ambiente. Segurança.

Texto completo:

PDF

Referências


ALQUIMIM, A. F. et al. Avaliação dos fatores de risco laborais e físicos para doenças cardiovasculares em motoristas de transporte urbano de ônibus em Montes Claros (MG). Ciência & Saúde Coletiva, v. 17, p. 2151-2158, 2012.

Anuário Estatístico de Acidentes do Trabalho: AEAT 2017 / Ministério da Fazenda ... [et al.]. – vol. 1 (2009) – DATAPREV. – Brasília: MF, 2017. 996 p. Anual. ISSN 1676-9694.

ASSUNÇÃO, A. A.; PIMENTA, A. M. A exposição à vibração e a hipertensão arterial em trabalhadores do transporte coletivo metropolitano. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, v. 40, n. 132, 2015.

ATLAS, MANUAL DE LEGISLAÇÃO. Segurança e medicina do trabalho. 74. ed. São Paulo: Atlas SA, 2019.

BATTISTON, N.; CRUZ, R. M.; HOFFMANN, M. H. Condições de trabalho e saúde de motoristas de transporte coletivo urbano. Estudos de Psicologia, V. 11, n. 3, p. 333-343, 2006.

CARDOSO JUNIOR, M. M. C. Avaliação ergonômica: Revisão dos métodos para avaliação postural. Revista produção online, v. 6, n. 3, 2006.

Diretiva Europeia. Relativa às prescrições mínimas de segurança e saúde respeitantes à exposição dos trabalhadores aos riscos devidos aos agentes físicos (vibrações). Parlamento Europeu; Conselho da União Europeia. (2002). Directiva 2002/44/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 25 de junho de 2002.

FIGUEIREDO, M. A. de M.; SILVA, L. F.; BARNABÉ, T. L. Transporte coletivo: vibração de corpo-inteiro e conforto de passageiros, motoristas e cobradores. Journal of Transport Literature, v. 10, n. 1, p. 35-39, 2016.

FLÓREZ, C. M. P.; BARRETO, M. C. B.; JIMÉNEZ, J. M. P. Riesgo ergonómico en los conductores de transporte intermunicipal de Sucre. UNIVERSIDAD-CIENCIA-INNOVACIÓN Y SOCIEDAD: Desde la Perspectiva Laboral, p. 49. 2017.

Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas (FAPESPA) Estatísticas Municipais Paraenses: Almeirim. / Diretoria de Estatística e de Tecnologia e Gestão da Informação. – Belém, 2016. 58f.: il. Semestral, n. 1, jul. / dez.

FUNDACENTRO - FUNDAÇÃO JORGE DUPRAT FIGUEIREDO, DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO. Norma de Higiene Ocupacional NHO 01: procedimento técnico para a avaliação da exposição ocupacional ao ruído contínuo ou intermitente e impacto. São Paulo – SP. FUNDACENTRO. 2001. 40 p.

FUNDACENTRO - FUNDAÇÃO JORGE DUPRAT FIGUEIREDO, DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO. Norma de Higiene Ocupacional NHO 09: avaliação da exposição ocupacional a vibrações de corpo inteiro: procedimento técnico. São Paulo-SP: Fundacentro, 2013. 63 p.

LACERDA, A.; et al. Achados audiológicos e queixas relacionadas à audição dos motoristas de ônibus urbano Audiologic findings and auditory-related complaints of urban bus drivers. Revista da Sociedade Brasileira Fonoaudiologia, v. 15, n. 2, p. 161-6, 2010.

MATOS, S. L. de; NEVES, F. S. Avaliação do estresse dos motoristas da empresa Viação Javaé de Gurupi/TO. Revista Desafios, v. 1, n. 2, p. 185-197, 2015.

MCATAMNEY, L. Y. N. N.; HIGNETT, S. REBA: Rapid Entire Body Assessment. Applied ergonomics, v. 31, p. 201-205, 2000.

MORAES, B. C. de et al. Variação espacial e temporal da precipitação no estado do Pará. Acta Amazon, v. 35, p. 207-217, 2005.

MORAES, Rita de Cássia Monteiro de; et.al. Qualidade do Transporte Urbano da Região Metropolitana de Belém. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano 03, Ed. 02, Vol. 03, pp. 147-156, Fevereiro de 2018. ISSN: 2448-0959

NERI, M.; SOARES, W. L.; SOARES, C. Condições de saúde no setor de transporte rodoviário de cargas e de passageiros: um estudo baseado na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. Cadernos de Saúde Pública, v. 21, p. 1107-1123, 2005.

RIBAS, R. L.; et al. Exposição humana à vibrações de corpo inteiro em um trator agrícola com pneus radiais. Ciência Rural, v. 44, n. 9, 2014.

ROCHA, L. C. R. da. et al. Resultados comparativos de perícias em transporte coletivo na cidade de Manaus. Congresso técnico científico da engenharia e da agronomia – CONTECC’2018. Maceió – Alagoas. 2018

SILVA, L. F.; MENDES, R. Exposição combinada entre ruído e vibração e seus efeitos sobre a audição de trabalhadores. Revista Saúde Pública, São Paulo, v. 39, n. 1, p. 9-17, Jan. 2005

SILVA, J. A. B. da; SILVA, S. da. Critério de qualidade em serviços de transporte público urbano: Uma contribuição teórica. Brazilian Journal of Production Engineering. São Mateus, Vol. 4, n.º1, p. 83 – 98. (2018). Editora CEUNES/DETEC.

SILVA, R. P. M. et al. Níveis de intensidade sonora no transporte coletivo urbano de Rio Branco-AC. Journal of Amazon Health Science, v. 1, n. 1, p. 82-87, 2015.

STANSFELD, S. A.; MATHESON M. P. Noise pollution: non-auditory effects on health. British medical bulletin, v 68, n 1, p. 243-257, 2003.




DOI: https://doi.org/10.12957/sustinere.2019.41782

Apontamentos



   Resultado de imagem para blogger icon   

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

ISSN 2359-0424

IBI Factor: 2.2

 

A Revista SUSTINERE está indexada/cadastrada em: