As redes que unem tecnologias e ensino na compreensão da Sistematização da Assistência de Enfermagem e do software Tasy

Luís Felipe Pissaia, Márcia Jussara Hepp Rehfeldt, Arlete Eli Kunz da Costa, Claudete Moreschi, Sabrina Monteiro

Resumo


Este estudo buscou averiguar os conhecimentos prévios de estudantes de enfermagem sobre a Sistematização da Assistência de Enfermagem e sobre o software Tasy. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, descritiva e exploratória, tendo como participantes trinta e um estudantes de uma disciplina do curso de graduação em Enfermagem da Universidade do Vale do Taquari. A coleta de dados ocorreu por meio da aplicação de um questionário, realização de entrevista e excertos do diário de campo do pesquisador. Quanto ao tempo delimitado para a pesquisa, a carga horária total foi de 20 horas aula, nas quais houve registros em diário de campo integralmente e aplicando-se o questionário nas quatro horas iniciais. A análise dos achados seguiu o preconizado pela Análise de Conteúdo, de Bardin (2016), estando estes de acordo com a Resolução 466/12 para pesquisas com seres humanos. Os resultados demonstraram que parte dos participantes compreendem o conceito de Sistematização da Assistência de Enfermagem, em contrapartida, alguns à confundem com o Processo de Enfermagem. Destaca-se a compreensão da Sistematização da Assistência de Enfermagem como meio organizacional dos serviços de saúde, conferindo a humanização necessária à assistência. Ao correlacionar a Sistematização da Assistência de Enfermagem com o Processo de Enfermagem os participantes demonstraram dificuldades em delimitar os conceitos e diferenciar a utilização de ambos os métodos. Nos achados, identificou-se também que o software Tasy possui potencialidades na realização da Sistematização da Assistência de Enfermagem como modo de implantação de um sistema de gestão efetivo. Relacionando também indícios da compreensão entre teoria e prática com o uso da tecnologia. Tais resultados demonstram a necessidade de aperfeiçoar o ensino da Sistematização da Assistência de Enfermagem e do Processo de Enfermagem, principalmente sobre seus conceitos e utilização enquanto métodos de trabalho.

Palavras-chave


Ensino em Enfermagem. Teoria e Prática. Tasy. Sistematização da Assistência de Enfermagem. Processo de Enfermagem.

Texto completo:

PDF

Referências


ALFARO-LEFEVRE, R. Aplicação do processo de enfermagem: uma ferramenta para o pensamento crítico. 7. ed. Porto Alegre, Artmed, 2010.

ANDRADE, J. S.; SILVA, F. J. C. P. Diretrizes para a sistematização da assistência de enfermagem hospitalar. In: Congresso Internacional de Enfermagem, 2017.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Tradução: Luís Augusto Pinheiro. São Paulo: Edições 70, 2016.

BRASIL. Conselho Nacional de Saúde. Ministério da Saúde (BR). Portaria 466/2012. Brasília (DF), 2012.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

KENSKI, V. M. Educação e tecnologias: o novo ritmo da informação. Campinas: Editora Papirus. 2012. 141p.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Metodologia científica. 6ª Ed. São Paulo. Atlas, 2011.

LEOPARDI, M. T. Teoria e Método em Assistência de Enfermagem. 2. Ed. rev. ampl. Florianópolis: Ed. Soldasoft, 2006.

LÉVY, P. Cibercultura. Tradução de José Dias Ferreira. Lisboa: Instituto Paulo Freire, 1997.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 10. Ed. São Paulo: Hucitec, 2007.

MOREIRA, M. A. Metodologias de pesquisa em ensino. 1ª Ed. São Paulo. Livraria da Física, 2011.

PISSAIA, L. F. et al. Impacto de tecnologias na implementação da sistematização da assistência de enfermagem hospitalar: uma revisão integrativa. Revista de Epidemiologia e Controle de Infecção, v. 1, p. 1-20, 2018.

PISSAIA, L. F. et al. Tecnologias da informação e comunicação na assistência de enfermagem hospitalar. Revista de Epidemiologia e Controle de Infecção, v. 7, p. 1-10, 2017.

PISSAIA, L. F.; BESCHORNER, C. E. Implantação de um ambulatório de média complexidade no Vale do Taquari/ RS: um relato de experiência. Cinergis, Santa Cruz do Sul, v. 17, n. 4, p. 307-312, out./dez. 2016.

RIEGEL, F,; CROSSETTI, M. G. O. Pensamento crítico holístico no ensino da enfermagem. Simpósio do Processo de Enfermagem (8.: 2017: Porto Alegre, RS) Processo de enfermagem: estratégia para resultados seguros na prática clínica. Porto Alegre: HCPA, 2017.

SCHAFF, A. A sociedade informática. São Paulo: Brasiliense, 2013.

TAJRA, S. F. Informática na educação: novas ferramentas pedagógicas para o professor na atualidade. São Paulo: Érica, 2012.

TANNURE, M. C.; PINHEIRO, A. M. SAE: Sistematização da Assistência de Enfermagem: Guia Prático. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, 2014.

VALENTE, J.A. As tecnologias digitais e os diferentes letramentos. Pátio. Revista Pedagógica (Porto Alegre), v. 11, p. 12-15, 2007.

YAMAMOTO, T. T. I.; BANDIERA-PAIVA, P.; ITO, M. Avaliação da usabilidade de interface gráfica de dois sistemas de gestão hospitalar. Journal of Health Informatics, v. 7, n. 2, 2015.




DOI: https://doi.org/10.12957/sustinere.2020.39539

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


   Resultado de imagem para blogger icon   

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

ISSN 2359-0424

IBI Factor: 2.2

 

A Revista SUSTINERE está indexada/cadastrada em: