A Atenção Primária sob a ótica dos usuários do Sistema Único de Saúde: uma revisão bibliográfica

Aurélio Carlos Silva da Silva, Ismael Robson Batista Soares, Kliger Fabiano Costa Campos, Mônica Cristina da Silva Castro

Resumo


A atenção primária à saúde é o primeiro nível de contato dos indivíduos, da família e da comunidade com o sistema nacional de saúde. O estudo analisou a produção científica sobre a atenção primária sob a ótica dos usuários do Sistema Único de Saúde, por meio da literatura científica, ao identificar as potencialidades e fragilidades do atendimento ao usuário do sistema único de saúde. Trata-se de uma pesquisa bibliográfica. Foram realizadas buscas em bancos de dados, sendo acessadas por via portal da Biblioteca Virtual da Saúde (BVS) como Literatura Latino-Americana em Ciências da Saúde, Scientific Eletronic Library Online e Base de Dados da Enfermagem, em artigos disponíveis na íntegra, em idioma Português-BR, publicados no período de 2013 a 2017. Na análise dos dados emergiram três categorias temáticas, sendo apresentadas nos resultados: “as potencialidades evidenciadas pelos usuários do Sistema Único de Saúde frente ao atendimento na rede básica de saúde”; “as fragilidades relacionadas ao  atendimento dos usuários aos serviços de saúde no âmbito da atenção primária” e a “importância da atenção primária enquanto porta de entrada dos usuários na rede dos serviços de saúde”. Têm-se como resultado, segundo a percepção de usuários, que a atenção primária é considerada incipiente e um grande desafio para gestores. Conclui-se que é importante empreender uma discussão mais sólida sobre as diferentes formas de acesso aos usuários da atenção primária à saúde e também vislumbrar ações de melhoria tanto no planejamento quanto nas relações entre todos os integrantes da equipe de saúde e dos usuários que buscam atendimento no sistema único de saúde, para que o princípio da integralidade seja de fato vislumbrado.


Palavras-chave


Atenção Primária à Saúde; Comportamento do Consumidor; Sistema Único de Saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, PF; MARIN, J; CASOTTI, E. Estratégias para Consolidação da Coordenação do Cuidado pela Atenção Básica. Trabalho. Educação. Saúde. 2017, vol.15, n.2, pp.373-398. Epub Mar 13, 2017. Disponível em: . Acesso em: 08 fev 2018

ALMEIDA, PF; SANTOS, AM. Atenção Primária à Saúde: coordenadora do cuidado em redes regionalizadas? Revista de Saúde Pública. 50:80, 2016. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rsp/v50/pt_0034-8910-rsp-S1518-87872016050006602.pdf>. Acesso em: 10 marco 2018

ARANTES, LJ; SHIMIZU, HE; HAMANN, E. Contribuições e desafios da Estratégia Saúde da Família na Atenção Primária à Saúde no Brasil: revisão da literatura. Ciências Saúde Coletiva. 2016, vol.21, n.5, pp.1499-1510. Disponível em: Acesso em: 20 março 2018

ARANTES, LJ; SHIMIZU, HE; HAMANN, EM. Contribuições e desafios da Estratégia Saúde da Família na Atenção Primária à Saúde no Brasil: revisão da literatura. Ciência e Saúde Coletiva, 21(5):1499-1509, 2016. Disponível em: . Acesso em: 15 abril 2018

BARATIERI ET AL. Percepções de usuários atendidos em um Pronto Atendimento: olhar sobre a Atenção Primária à Saúde. V. 18; n. 01, 2017. Disponível em: < http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/espacoparasaude/article/view/28351>. Acesso em: 05 abril 2018

BARBIANI, R; NORA CRD; SCHAEFER, R. Práticas do enfermeiro no contexto da atenção básica. Artigo de Revisão. Revista Latino-Americana de Enfermagem. 2016; 24:e2721. Disponível em: . Acesso em: 01 maio 2018

BRASIL. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Atenção Primária

Brasília: CONASS, 2011. Disponível em: . Acesso em: 27 março 2018

BRASIL. Ministério da Saúde. PORTARIA Nº 2.436, DE 21 DE SETEMBRO DE 2017. Brasília-DF, 2017. Disponível em: . Acesso em: 22 abril 2018

BRAZ, FAF. A importância do acolhimento aos usuários da atenção básica: uma assistência humanizada. Trabalho de Conclusão de Curso. Especialização em Atenção Básica em Saúde da Família. Universidade Federal de Minas Gerais. Campos Gerais/Minas Gerais. 2013. Disponível em: . Acesso em: 13 maio 2018

BRUNHAUSER, AL; MAGRO, ML; NEVES, M. Avaliação de serviços de saúde bucal: um estudo comparativo. Revista da faculdade de odontologia Universidade de Passo Fundo. V.18, n. 1, 2013. Disponível em: Acesso em: 22 maio 2018

CABRAL, KFD; ET AL. Análise da Eficiência na Atenção Primária à Saúde sob a Ótica dos Profissionais da Área. Revista de Gestão em Sistemas de Saúde, v. 5, n. 2, p. 71-83, 2016. Disponível em: . Acesso em: 15 maio 2018

CAMPOS, RTO; ET AL. Avaliação da qualidade do acesso na atenção primária de uma grande cidade brasileira na perspectiva dos usuários. Saúde Debate. 2014, vol.38, n.spe, pp.252-264. Disponível em: < http://dx.doi.org/10.5935/0103-1104.2014S019>. Acesso em: 09 março 2018.

CHAGAS, HMA; VASCONCELLOS, MPC. Quando a porta de entrada não resolve: análise das unidades de saúde da família no município de Rio Branco, Acre. Saúde e Sociedade. 2013, vol.22, n.2, pp.377-388. Disponível em: . Acesso em: 03 maio 2018.

KAIMEN, MJG; ET AL. Normas de documentação aplicadas à área de saúde: um manual para uso dos requisitos uniformes do International Committee of Medical Journal Editors. ICMJE. Requisitos de Vancouver. Rio de Janeiro: E-papers, 2008. Disponível em: < https://books.google. com.br/books?id=z6N6gs8_gmEC&printsec=frontcover&hl=pt-BR&source=gbs_ge_summary_ r&cad=0#v=onepage&q&f=false> . Acesso em: 01 junho 2018.

CMM, SENNA; SANTOS, AM. Atenção Primária à Saúde Na Agenda Pública Brasileira: Dilemas Entre Focalização e Universalidade Revista de Políticas Públicas, vol. 21, núm. 1, 2017, pp. 403-424 Universidade Federal do Maranhão São Luís, Brasil. Disponível em: < http://www.redalyc.org/pdf/3211/321152454021.pdf>. Acesso em: 01 junho 2018

COUTINHO, LRP; BARBIERI, AR; SANTOS, MLM. Acolhimento na Atenção Primária à Saúde: revisão integrativa. Saúde Debate. 2015, vol.39, n.105, pp.514-524. Disponível em: Acesso em: 01 junho 2018.

DEMARZO, MMP. Módulo Político Gestor. Reorganização dos Sistemas de Saúde: Promoção da Saúde e Atenção Primária à Saúde. Especialização em Saúde da Família. Modalidade à distância. Universidade Federal de São Paulo. Universidade Aberta do SUS. 2011. Disponível em: < http://www.unasus.unifesp.br/biblioteca_virtual/esf/1/ modulo_politico_gestor/Unidade_3.pdf>. Acesso em: 23 março 2018.

DIAS, OV; ET AL. Acesso às consultas médicas nos serviços públicos de saúde. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade. v.11, n. 38, 2016. Disponível em: . Acesso em: 17 abril 2018.

FAUSTO, MCR et al. A posição da Estratégia Saúde da Família na rede de atenção à saúde na perspectiva das equipes e usuários participantes do PMAQ-AB. Saúde Debate 2014, vol.38, n.spe, pp.13-33. Disponível em: Acesso em: 30 abril 2018.

GONTIJO, TL; ET AL. Avaliação da atenção primária: o ponto de vista de usuários. Saúde Debate 2017, vol.41, n.114, pp.741-752. Disponível em: . Acesso em:11 abril 2018.

MARIN, MJS; MARCHIOLI, M; MORACVICK, MYAD. Fortalezas e fragilidades do atendimento nas Unidades Básicas de Saúde tradicionais e da Estratégia de Saúde da Família pela ótica dos usuários. Texto Contexto Enfermagem. 2013, vol.22, n.3, pp.780-788. Disponível em: Acesso em:09 maio 2018.

MELLO, GA; FONTANELLA, BJB; DEMARZO, MMP. Atenção Básica e Atenção Primária á Saúde - Origens e Diferenças Conceituais. Artigo de Revisão. Revista Atenção Primária à Saúde. v. 12, n. 2, p. 204-213, abr./jun. 2009 Disponível em: < https://aps.ufjf.emnuvens.com.br/aps/article/view/307/203>. Acesso em: 19 maio 2018.

MENDES, E.V. A Construção Social da Atenção Primária À Saúde. Brasília: Conselho Nacional de Secretários de Saúde – CONASS, 2015. Disponível em: . Acesso em: 05 maio 2018.

MISHIMA, SM, ET AL. Satisfação do usuário sob a perspectiva da responsividade: estratégia para análise de sistemas universais?. Revista. Latino-Americana de Enfermagem. 2016; 24:e2674.Disponível em: . Acesso em: 02 junho 2018.

OLIVEIRA, MAC; PEREIRA, IC. Atributos essenciais da Atenção Primária e a Estratégia Saúde da Família Revista. Brasileira de Enfermagem. 2013, vol.66, n.spe, pp.158-164. Disponível em: < http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672013000700020>. Acesso em: 02 junho 2018.

Organização Mundial de Saúde (OMS). Declaração de Alma-Ata. Conferência Internacional sobre Cuidados Primários de Saúde Alma-Ata URSS, 6-12 de setembro de 1978. Disponível em: . Acesso em: 02 junho 2018.

Organização Pan-Americana da Saúde. OPAS. Qualidade da atenção primária no Programa Mais Médicos. A experiência dos médicos e usuários. Brasília, D.F.: OPAS; 2018. Disponível em: < http://iris.paho.org/xmlui/bitstream/handle/123456789/34573/ OPASBRA18004-por.pdf?sequence=1&isAllowed=y>. Acesso em: 11 maio 2018.

PRODANOV, CC; FREITAS, EC. Metodologia do trabalho científico :métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2. ed. Novo Hamburgo: Feevale, 2013. Disponível em: < http://www.feevale.br/Comum/midias/8807f05a-14d0-4d5b-b1ad-1538f3aef538/E-book%20Metodologia%20do%20Trabalho%20Cientifico.pdf>. Acesso em: 07 maio 2018

PROTASIO, APL; ET AL. Satisfação do usuário da Atenção Básica em Saúde por regiões do Brasil: 1º ciclo de avaliação externa do PMAQ-AB. Ciência Saúde Coletiva. 2017, vol.22, n.6, pp.1829-1844. Disponível em: . Acesso em: 08 maio 2018.

SANCHEZ, HF .Construção e validação de um instrumento para avaliação dos serviços públicos de saúde bucal na atenção primária à saúde sob a ótica dos usuários (ASBAP-usuário). 2013. Disponível em: . Acesso em: 08 maio 2018.

SANTOS, FPA; et al. Práticas de cuidado da enfermeira na Estratégia Saúde da Família. Revista Brasileira de Enfermagem. 2016, vol.69, n.6, pp.1124-1131. Disponível em: Aceso em: 08 maio 2018.

Starfield, B.Atenção Primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: UNESCO. Ministério da Saúde, 2002. Disponível em: . Acesso em: 15 março 2018.

VOLPONI, PRR; GARANHANI, ML; CARVALHO, BG. Núcleo de Apoio à Saúde da Família: potencialidades como dispositivo de mudança na Atenção Básica em saúde. Saúde Debate 2015, vol.39, n.spe, pp.221-231. Disponível em: Acesso: maio 2018




DOI: https://doi.org/10.12957/sustinere.2019.36184

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


   Resultado de imagem para blogger icon   

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

ISSN 2359-0424

A Revista SUSTINERE está indexada/cadastrada em:

 


A partir da 7ª edição da Revista SUSTINERE (V.4, Nº2, 2016), todos os trabalhos das colunas Artigos, Comportamento e Ambiente, e Ensaios, são submetidos a um exame de confiabilidade através dos serviços do iThenticate, cujos relatórios são analisados pelos editores, para a aprovação da publicação destes.