Análise de emissões aeronáuticas: estudo de caso em um aeroporto da cidade do Rio de Janeiro

Rafael Vaz Fernandes Moreira, Simone Lorena Quiterio de Souza, Sergio Machado Corrêa

Resumo


Devido ao crescimento do transporte aéreo ao longo das décadas e, consequentemente, das emissões atmosféricas por este meio, fez–se necessário o estabelecimento de estudos e normas que visam mensurar os níveis de poluentes emitidos por motores aeronáuticos. Sendo assim, este trabalho tem por objetivo estimar quantitativamente e comparar as emissões de monóxido de carbono (CO), hidrocarbonetos (HC) e óxidos de nitrogênio (NOx) da aeronave Airbus A319, série 115, durante suas operações no Aeroporto Santos Dumont, localizado na cidade do Rio de Janeiro, no período de janeiro a dezembro de 2015. Para tal, utilizou-se dados estatísticos da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) e do banco de dados de emissões da Organização Internacional de Aviação Civil (ICAO). Os resultados mostraram que as emissões destes poluentes variam conforme a fase de voo da aeronave e regime de potência dos motores, que influenciam na temperatura do motor e combustão do querosene de aviação. Desta maneira, observou-se que os níveis de NOx na fase de subida inicial – na qual a aeronave, após a decolagem, ascende à um nível de segurança, livre de obstáculos –, se mantiveram, aproximadamente, 51 e 68 % superiores, em relação as fases de decolagem e pouso, respectivamente. Em termos de CO, as emissões da fase de aproximação, mostraram-se, aproximadamente 92 e 96 % superiores em relação às fases de subida inicial e decolagem, respectivamente. O mesmo pode ser observado para as emissões de HC, que durante a aproximação, alcançaram valores 37 e 75 % maiores, em relação as fases de subida inicial e decolagem, respectivamente.

Palavras-chave


Emissões; Aeronave; Qualidade do ar; Poluentes

Texto completo:

PDF

Referências


AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL (ANAC). Dados estatísticos do Aeroporto Santos Dumont/RJ. Disponível em: . Acesso em: 20 Jul. 2016.

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL (ANAC). RBAC 34: Requisitos para drenagem de combustível e emissões de escapamento de aviões com motores a turbina. Brasília, 2013. Disponível em: . Acesso em: 20 Set. 2016.

AIRBUS. Frota mundial de aeronaves Airbus A319. Disponível em: . Acesso em: 18 Dez. 2016.

AIRLINERS. Histórico Airbus A319. Disponível em: . Acesso em: 18 Dez. 2016.

BAIRD, C.; CANN, M. Química Ambiental. 4ed. Porto Alegre: Bookman, 2011.

BARBOSA, S. M. M.; FARHAT, S.C.L.; MARTINS, L.C.; PEREIRA, L.A.A.; SALDIVA, P.H.N.; ZANOBETTI, A.; BRAGA, A.L.F. Poluição do ar e a saúde das crianças: a doença falciforme. Cadernos de Saúde Pública, v.31, n.2, p.265-75, 2015.

BRASIL. Decreto no 21.713, de 27 de agosto de 1946. Promulga a Convenção sobre aviação civil internacional, concluída em Chicago a 7 de Dezembro de 1944 e firmado pelo Brasil, em Washington, a 29 de maio de 1945. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1930-1949/D21713.htm>. Acesso em: 21 Set. 2016.

BRASIL. Lei nº 11.182, de 27 de setembro de 2005. Cria a Agência Nacional de Aviação Civil – ANAC, e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 21 Set. 2016.

CASTRO F.M.C.; ORNELAS, J.L.C.; CONFRARIA, J.C.F.; PIEDADE, L.P.I da; CÁLÃO, M.N.; SILAVA, F.N. da. Seminário Aerospacial II. In: Trabalho Acadêmico (Mestrado Integrado em Engenharia Aerospacial). Instituto Superior Técnico de Lisboa, LX, 2015. Disponível em: < https://fenix.tecnico.ulisboa.pt/downloadFile/563568428727964/Grupo%2008.pdf>. Acesso em: 22 Set. 2016.

COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO DO RIO DE JANEIRO (CET-Rio). Volume diário de veículos das principais vias do município do Rio de Janeiro. Disponível em: < http://www.rio.rj.gov.br/web/smtr/exibeconteudo?article-id=2801717>. Acesso em: 08 Dez. 2017.

EAGLESGATE. Evolução histórica dos motores aeronáuticos. Disponível em: . Acesso em: 19 Set. 2016.

FEDERAL AVIATION ADMINISTRATION (FAA). Aviation emissions and air quality handbook. Version 3, Update 1, Washington, 2015. Disponível em: < https://www.faa.gov/regulations_policies/policy_guidance/envir_policy/airquality_handbook/media/Air_Quality_Handbook_Appendices.pdf>. >. Acesso em: 25 Set. 2016.

FEDERAL AVIATION ADMINISTRATION (FAA). FAA Historical Chronology. Disponível em: < https://www.faa.gov/about/history/chronolog_history/ >. Acesso em: 25 Set. 2016.

GAFFNEY, J.S; MARLEY, N.A. The Impacts of combustion emissions on air quality and climate – From coal to biofuel and beyond. Atmospheric Environment, v. 43, p. 23-36, 2009. DOI: https://doi.org/10.1016/j.atmosenv.2008.09.016

GAVINIER, S.; NASCIMENTO, C.F.L. Poluentes atmosféricos e internações por acidente vascular encefálico. Ambiente & Água - An Interdisciplinary Journal of Applied Science, v.9, n.3, 2014.

GUXENS M., LUBCZYSKA M.J., MUETZEL R., DALMAU-BUENO A., JADDOE V.W., HOEK G., VAN DER LUGT A., VERHULST F.C., WHITE T., BRUNEKREEF B., TIEMEIER H., EL MARROUN H. Air pollution exposure during fetal life, brain morphology, and cognitive function in school-age children. Biological Psychiatry, 2018. DOI: https://doi.org/10.1016/j.biopsych.2018.01.016

HOMA, J. Aeronaves e Motores. 26ed. São Paulo: Asa, 2006.

INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO (INEA). Inventário de emissões de fontes veiculares: Região Metropolitana do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: INEA, 2016. Disponível em: . Acesso em: 08 Dez. 2017.

EMPRESA BRASILEIRA DE INFRAESTRUTURA AEROPORTUÁRIA (INFRAERO). Histórico do Aeroporto Santos Dumont/RJ. Disponível em: Acesso: 10 Dez. 2017.

INTERNATIONAL CIVIL AVIATION ORGANIZATION (ICAO). Enviromental Protection: Volume II Aircraft Engine Emissions. Third Edition, Montreal, 2014. Disponível em: . Acesso em: 25 Set. 2016.

INTERNATIONAL CIVIL AVIATION ORGANIZATION (ICAO). Engine Exhaust Emissions Data Bank Subsonic Engines: CFMI CFM56 – 5B7/3. Ohio, 2008. Disponível em: Acesso em: 25 Set. 2016.

RODRIGUES, D. ANGELOTTI, F. PINHEIRO, G. GHINI, R. FERNANDES, H. Impacto do aumento da concentração de dióxido de carbono sobre o Oídio da videira. In: Workshop para mudanças climáticas e problemas fitossanitários. Jaguariúna, SP: Embrapa, 2012. Disponível em: . Acesso em: 25 Out. 2016.

PALHARINI, M.J.A. Motores a Reação. 12ed. São Paulo: Bianch Pilot Training, 2014.

PLANESPOTTERS. Dados referentes à frota de Airbus A319-115 no Brasil no ano de 2015. Disponível em: . Acesso em: 20 Dez. 2016.

R CORE TEAM 2016. R: A language and environment for statistical computing. R Foundation for Statistical Computing, Vienna, Austria. Disponível em: https://www.R-project.org/.

SCHURMANN, G. et al. The impacts of NOx, CO and VOC emissions on the air quality of Zurich Aiport, Atmospheric Environment, v. 41, p. 108 – 113, 2007. DOI: https://doi.org/10.1016/j.atmosenv.2006.07.030

UNITED STATES OF AMERICA (USA). Code of Federal Regulation, Tile 40, Part 87 – Control of Air Pollution from aircraft and aircraft engines. USA, 2012a. Disponível em: . Acesso em: 27 Set. 2016.

UNITED STATES OF AMERICA (USA). Code of Federal Regulation, Tile 14, Part 34 – Fuel venting and exhaust emission requirements for turbine engine powered airplanes. USA, 2012b. Disponível em: . Acesso em: 27 Set. 2016.




DOI: https://doi.org/10.12957/sustinere.2018.33346

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


   Resultado de imagem para blogger icon   

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

ISSN 2359-0424

A Revista SUSTINERE está indexada/cadastrada em: