Da educação infantil e a experiência de Reggio Emilia

Tatiana Costa Martins

Resumo


A Educação Infantil vista à luz de teorias progressistas da Pedagogia como etapa primordial para o desenvolvimento dos aspectos psicomotores que balizam todos os demais processos de construção do conhecimento, precisa ser compreendida pela sociedade como fundamental para a formação da personalidade em âmbito de constituição do sujeito histórico e social. À escola infunde-se este papel mediador de entrelaçar as famílias aos conhecimentos pedagógicos que norteiam as ações direcionadas a esta etapa da escolarização infantil. O reconhecimento da infância como fase de elevado potencial criativo e intelectual que se associa à construção dos valores individuais e coletivos que acompanharão o indivíduo por toda a vida adulta são elementos de grande importância na construção de novos posicionamentos educacionais. A parceria entre escola e família, que se inicia nas experiências educativas desde a creche e a Educação Infantil, por vezes perde-se em lacunas imperceptíveis como o acompanhamento e a orientação profissional sobre o ingresso da criança no Ensino Fundamental, inseguranças e ansiedades das crianças e seus familiares. A experiência de Reggio Emilia, expressa na Pedagogia da Escuta, vem ao encontro do desenvolvimento da autonomia, criticidade e o fortalecimento da parceria entre escola e família. Uma reflexão oportuna a todos os educadores que compreendem a Educação enquanto processo transformador.

 

 

DOI: 10.12957/sustinere.2016.21135


Palavras-chave


Educação Infantil; Projetos Educativos; Pedagogia da Escuta

Texto completo:

PDF

Referências


BARBOSA, Maria Carmem Silveira; HORN, Maria da Graça Sousa. Projetos Pedagógicos na Educação Infantil. Porto Alegre: Grupo A, 2008.

BRASIL. Ministério de Educação e do Desporto. Referencial Curricular Nacional para Educação Infantil. Brasília, DF: MEC, 1998.

COÊLHO, Ildeu Moreira. Educação, cultura e formação: o olhar da filosofia. Goiânia: Ed. PUC Goiás, 2009.

DEWEY, John. Vida e Educação. São Paulo: Melhoramentos, 1959.

FULLGRAF, Jodete Bayer Gomes. A infância de papel e o papel da infância. Florianópolis, 2001, 141 f. Dissertação (mestrado em Educação). Centro de Ciências da Educação, Universidade Federal de Santa Catarina.

HAWKINS, Frances Pockman. The logic of action. Young children at work. Boulder, CO: Associated University Press. In: EDWARDS, Carolyn (org.). As Cem Linguagens da Criança: a abordagem de Reggio Emilia na educação da primeira infância. Porto Alegre: Artes Médicas, 1999.

KUHLMANN JÚNIOR, Moysés. Infância e educação infantil: uma abordagem histórica. 2 ed. Porto Alegre: Mediação, 2001.

LAKATOS, Eva Maria. MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de Metodologia Científica. 5 ed. São Paulo: Atlas, 2003.

MINAYO, Maria Cecília de Souza (org). Pesquisa Social: Teoria, Método e Criatividade. 14 ed. São Paulo: Vozes, 1992.

NETTO, José Paulo; BRAZ, Marcelo. Economia política: uma introdução crítica. São Paulo: Cortez, 2007.

OLIVEIRA, Stela Maris Lagos. A legislação e as políticas nacionais para a educação infantil: avanços, vazios e desvios. In: Machado, Maria Lucia de A.. Encontros e desencontros em educação infantil. 2 ed. São Paulo: Cortez, 2005.

PARO, Vitor Henrique. Gestão democrática da escola pública. São Paulo, Ática, 1997.

SAVIANI, Demerval. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. Campinas: Autores Associados, 2005.

TONUCCI, Francesco. A los três anos se investiga. Barcelona: Hogar Del Libro, 1986.

VYGOTSKY, Leon. Semyonovich. A formação social da mente. 6 ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.




DOI: https://doi.org/10.12957/sustinere.2016.21135

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


   Resultado de imagem para blogger icon   

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

ISSN 2359-0424

A Revista SUSTINERE está indexada/cadastrada em: