RIO/HOMEM CURSOS E DISCURSOS NA POESIA DE JOÃO CABRAL DE MELO NETO

Maria Isaura Rodrigues Pinto

Resumo


Nos poemas O Rio e Morte e Vida Severina, de João Cabralde Melo Neto, a linguagem, catalisadora de metamorfoses, transmutaRio em Homem e Homem em Rio, tornando esses elementos temáticos,em seu relacionamento recíproco, imagens poéticas confluentes.Têm-se, no caso, duas histórias (a de Severino, retirante do sertãonordestino e a do Capibaribe, rio cujo leito leva ao Recife), que, cruzadas,originam um sistema de equivalências, em que o rio humanizadoe o homem fluvializado confundem suas naturezas, em face deum estado de precariedade por ambos compartilhado.

Texto completo:

PDF


Licença Creative Commons

SOLETRAS online - ISSN 2316 8838

Revista do Departamento de Letras

Faculdade de Formação de Professores da UERJ

Rua Dr. Francisco Portela, 1470 - Patronato - São Gonçalo - RJ

Cep: 24435-005 - e-mail: soletrasonline@yahoo.com.br