Avaliação da sustentabilidade ambiental da sede administrativa de uma instituição federal - Rio de Janeiro, Brasil

Igor Laguna Vieira, Elmo Rodrigues Silva, Elisete Dahmer Pfitscher

Resumo


Considerando a importância do setor governamental em relação a questões ambientais, este artigo tem como objetivo apresentar os resultados de um estudo qualitativo sobre avaliação da sustentabilidade ambiental em uma autarquia federal localizada no município do Rio de Janeiro, tendo como modelo o Sistema Contábil Gerencial Ambiental (SICOGEA) - Geração 2. Esse sistema contém questões distribuídas em quatro áreas de gestão, a saber: produção; recursos humanos; marketing e finanças. A metodologia pode ser classificada como: descritiva quanto aos objetivos; pesquisa de campo quanto às fontes de dados; e estudo de caso quanto ao procedimento de coletas de dados. Para avaliar a sustentabilidade na autarquia estudada foi utilizada uma lista de verificação contendo 124 questões estruturadas dirigidas aos gestores da autarquia.  Esse levantamento de dados foi complementado com trabalho de campo, por meio de observações in loco. Como resultado, constatou-se um índice geral de sustentabilidade ambiental de 43,19%, sendo atribuído um conceito “regular” pelo método utilizado. Conclui-se que há deficiências na gestão ambiental da organização, especialmente na área de “Produção”, que deve incentivar práticas mais sustentáveis a fim de minimizar os possíveis impactos negativos que estão sendo causados pelas suas atividades.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/ric.2018.33255

Direitos autorais 2018 Revista Internacional de Ciências


 

ISSN: 2316-7041 | Indexada em:

 

Licença Creative Commons

A Revista Internacional de Ciências está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.