AUTONOMIA DISCENTE NA UNIVERSIDADE: METODOLOGIAS ATIVAS E A CIBERCULTURA

Patrícia Lupion Torres, Virginia Bastos Carneiro, Rui Trindade Fernandes

Resumo


O presente artigo trata da autonomia discente em John Dewey e sua atualidade na prática das metodologias ativas no cenário educacional contemporâneo e na participação ativista em rede. O tema “Autonomia discente na universidade: metodologias ativas e a cibercultura” teve como objetivo geral refletir a perspectiva do desenvolvimento de um aluno autônomo com o aprender. Dentre os autores pesquisados estão TORRES, HILU, SIQUEIRA (2015); TRINDADE (2012).  Pôde-se inferir que nas metodologias ativas hoje aplicadas em sala de aula, encontram-se pressupostos de autonomia discente em Dewey, na medida em que a valorização do aluno como centro do aprendizado no trabalho em grupos, além do trabalho individual, é estimulada em ambiente educacional democrático.

Palavras-chave: autonomia discente; ambiente educacional democrático; metodologias ativas.


Palavras-chave


autonomia discente; ambiente educacional democrático; metodologias ativas.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/teias.2019.39666

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1518-5370 [impresso] • 1982-0305 [eletrônico]
Teias, uma publicação eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Educação – ProPEd/UERJ
Qualis/Capes - A2 (2017/2018) 
DOI: 10.12957/teias

 

Licença Creative Commons

Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional