BIOPOTÊNCIAS CURRICULARES: RESISTÊNCIAS EM CENÁRIOS BIOPOLÍTICOS

IGOR ALEXANDRE DE CARVALHO SANTOS

Resumo


Este artigo visa investigar os devires curriculares biopotentes em cenários biopolíticos. As formas de dominação não se restringem ao corpo individual, pois o poder se apropriou do corpo coletivo, isto é, a população. A vida passa a ser assaltada, expropriada e apropriada pelo poder. O nome dado a esse novo movimento politico é a biopolítica. No interior das relações biopolíticas podem emergir insurreições que consistem em biopotências. As biopotências curriculares concernem a modos de resistência singulares, múltiplos e intempestivos diante das demandas do mundo do trabalho imaterial, que não aceita a tecnicização insular na produção, bem como diante das configurações biopolíticas no campo do currículo.
Palavras-chave: Biopolítica. Biopotência. Currículo. Resistência.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1518-5370 [impresso] • 1982-0305 [eletrônico]
Teias, uma publicação eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Educação – ProPEd/UERJ
Qualis/Capes - A2 (2017/2018) 
DOI: 10.12957/teias

 

Licença Creative Commons

Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional