Cosme Rondó, exótico e cosmopolita

Natalia Gomes Godoi

Resumo


RESUMO: Ambientado em meio aos grandes tratados sociais da Idade Moderna, O barão nas árvores (1957) representa a jornada interna do sujeito na busca pelo equilíbrio entre suas aspirações individuais e seus deveres para com a sociedade, questão que se repetia no contexto pós-guerras em que foi escrito por Italo Calvino. O protagonista, Cosme Rondó, encontra e aperfeiçoa, ao longo de sua vida, o ponto perfeito em que poderia usufruir de sua liberdade sem renunciar a sua responsabilidade política e aos enriquecedores diálogos intelectuais. Nessa sua trajetória, assume o papel de estrangeiro em sua própria terra natal, sendo tratado por seus conterrâneos como um Outro exótico. Ao mesmo tempo, essa renúncia de identificação com uma região e uma cultura específicas faz dele um cosmopolita, cidadão do mundo. Personagem de um dos livros da trilogia Os nossos antepassados (1960), o barão Cosme antecede a identidade do sujeito pós-moderno, desvencilhada de limitações étnicas e territoriais.

Palavras-chave: O barão nas árvores. Cosme Rondó. Estrangeiro. Exótico. Cosmopolita.

 

ABSTRACT: Ambientato in mezzo a grandi trattati sociali dell’età moderna, Il barone rampante (1957) rappresenta il percorso interiore del soggetto nella ricerca dell’equilibrio tra le sue ispirazioni individuali ed i suoi doveri con la società, questione che si ripeteva nel contesto dopoguerre in cui è stato scritto da Italo Calvino. Il protagonista, Cosimo Rondò, trova e migliora nel corso della sua vita il punto perfetto in cui potrebbe godere della libertà senza rinunciare alla sua responsabilità politica e agli arricchenti dialoghi intellettuali. In questa traiettoria assume il ruolo di straniero nella sua propria terra natia, essendo considerato dai suoi compaesani un Altro esotico. Allo stesso tempo questa rinuncia di identificarsi con una regione e una cultura specifiche fa di lui un cosmopolita, cittadino del mondo. Personaggio di uno dei libri della trilogia I nostri antenati (1960), il barone Cosimo precede l’identità del soggetto postmoderno, libera delle limitazioni etniche e territoriali.

Parole-chiave: Il barone rampante. Cosimo Rondò. Straniero. Esotico. Cosmopolita.

 

ABSTRACT: Set in the midst of the great social treaties of the early modern period, The Baron in the Trees (1957) represents the subject’s inner journey in the search for balance between your individual aspirations and your duties to the society, issue that was repeated in the post-war context in which was written by Italo Calvino. The protagonist, Cosimo Rondò, finds e perfects throughout his life the perfect spot in which could enjoy his freedom without give up his political responsibility and the enriching intellectual dialogues. In this course, he assumes the role of stranger in his own homeland, being treated by his countrymen as an exotic Other. At the same time, this waiver of identification with a specific region and culture make him a cosmopolitan, a citizen of the world. Character in one of the books of the trilogy Our Ancestors (1960), the baron Cosimo precedes the identity of the postmodern subject’s, free of the ethnic and territorial limitations.

Keywords: The Baron in the Trees. Cosimo Rondò. Stranger. Exotic. Cosmopolitan.


Palavras-chave


O barão nas árvores. Cosme Rondó. Estrangeiro. Exótico. Cosmopolita.

Texto completo:

PDF


Licença Creative Commons
A Revista Italiano UERJ está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.


Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Instituto de Letras


Rua São Francisco Xavier, 524, 11° andar, CEP 20559-900, Maracanã, Rio de Janeiro-RJ, Brasil
E-mail: revistaitalianouerj@gmail.com