Aspectos metodológicos da prescrição da caminhada e a questão dose-resposta na prevenção de doenças

Raul A. Freire, Brenno S. Silva, Walace D. Monteiro

Resumo


O sedentarismo é um dos maiores problemas de saúde pública no Brasil e no mundo, que leva a uma grande incidência de várias doenças e mortalidade por diversas causas. Em contrapartida, a prática regular de exercícios traz diversos benefícios à saúde. Dentre as várias formas de atividade física, a caminhada é uma das mais praticadas pela população devido à facilidade para realização, ao baixo custo e ao reduzido risco de lesões. Adicionalmente, a literatura tem demonstrado que a caminhada pode ser bastante útil na prevenção e tratamento de diversas doenças, reduzindo ou estabilizando os sintomas e diminuindo a quantidade de medicamentos. No entanto, os dados referentes à questão dose-resposta para observar essas melhoras ainda são inconsistentes. Além disso, as diretrizes que tratam da progressão do treinamento envolvendo a caminhada ainda são muito gerais. O presente artigo trata especificamente desses temas e objetiva detalhar algumas questões relacionadas à dose-resposta da prática da caminhada em diferentes problemas de saúde, bem como tecer algumas considerações metodológicas que envolvem a prescrição segura e eficiente desta atividade. Para tanto, o texto foi organizado em três tópicos. No primeiro, é abordada a questão dose-resposta da prática da caminhada e seus benefícios à saúde. O segundo tópico abordado diz respeito à atuação específica da caminhada na prevenção e tratamento de algumas doenças e fatores de risco, bem como na redução no uso de medicamentos. No terceiro tópico, são tecidas algumas considerações metodológicas para prescrição da caminhada, introduzido neste contexto o papel da detecção da velocidade de transição caminhada-corrida para prescrição do exercício.

Descritores: Caminhada; Exercício físico; Treinamento; Prevenção de doenças; Saúde.

 

Revista HUPE, Rio de Janeiro, 2013;12(4):89-98

doi:10.12957/rhupe.2013.8716


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/rhupe.2013.8716