As tramas sociais da experiência de trabalhadores ambulantes em Rio das Ostras | The social plots of the experience of street workers in Rio das Ostras

Pollyana Luz Macedo da Silva

Resumo


O presente artigo traz reflexões sobre o trabalho informal, tendo como universo empírico a experiência profissional dos trabalhadores ambulantes integrantes do Programa Renda Alternativa, em Rio das Ostras (RJ). Portanto, a pesquisa foi desdobrada em levantamento bibliográfico, além de trabalho de campo com os ambulantes. Por meio desses dispositivos, buscou-se compreender os laços entre informalidade do trabalho e dinâmica capitalista. Os achados da pesquisa mostram que o trabalho ambulante acomete gerações de trabalhadores como consequência do desenvolvimento desigual e dependente do capitalismo, que limita a oferta de emprego. Somado a isso temos os processos de transformações socioeconômicas das últimas décadas, que intensificam as formas de precarização do trabalho, potencializando a chamada informalidade do trabalho. A expropriação do direito ao emprego empurra os trabalhadores para experiências laborativas inseguras e sem proteção social. A repetição entre familiares amplia a percepção da perenidade da expropriação social entre gerações de trabalhadores.

Palavras-Chave: modo de produção capitalista; trabalho informal; trabalhadores ambulantes.

 

Abstract –This article presents reflections on informal work, having as an empirical universe the work experience of the itinerant workers included in the "Alternative Income Program" in Rio das Ostras / RJ. Therefore, the research was deployed in a bibliographical survey, in addition to field work with street vendors. Through these devices, the research sought to understand the links between informality of work and capitalist dynamics. The research findings show that street work affects generations of workers as a consequence of the unequal and dependent development of capitalism that limits the supply of employment. Added to this we have the processes of socioeconomic transformations of the last decades that intensify the forms of precarization of work, enhancing the so-called informality of work. The expropriation of the right to employment pushes workers to unsafe and unprotected labor experiences. The repetition between relatives extends the perception of the perpetuation of social expropriation among generations of workers.

Keywords: Mode of Capitalist Production, informal work and mobile workers.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/rep.2019.42514

 

 

                                              

ISSN: 1414-8609 | e-ISSN: 2238-3786 JournalDOI: http://doi.org/10.12957/rep

Licença Creative Commons