A invenção do dispositivo da transexualidade: produção de “verdades” e experiências trans

Maria de Fátima Lima Santos

Resumo


Partindo da ideia de dispositivo no pensamento de Michel Foucault, este artigo apresenta uma breve genealogia da transexualidade mapeando sua emergência e visibilidade, principalmente a partir da segunda metade do século XX. O objetivo central consiste em cartografar as diferentes classificações, caracterizações e intervenções que foram decisivas na construção da transexualidade enquanto uma “disforia de gênero” e/ou um “transtorno de identidade de gênero”, reduzindo as possibilidades de expressões das transexualidades a uma patologia. Nesse sentido, a consolidação da norma psiquiátrica se constituiu a partir de diferentes redes relacionais envolvendo disputas de saberes, categorias científicas, relações de poder, diferentes práticas de intervenção, principalmente no campo europeu e norte-americano. No entanto, é possível perceber na contemporaneidade movimentos rumo a “despatologização” da transexualidade, exercício este que requer a compreensão da invenção da transexualidade, bem como as subversões normativas que compõem o dispositivo.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/rep.2011.2937

 

 

                                              

ISSN: 1414-8609 | e-ISSN: 2238-3786 JournalDOI: http://doi.org/10.12957/rep

Licença Creative Commons