EDITORIAL

 

 

Eleonôra Torres Prestrelo I; Adriana Benevides Soares II; Ana Maria Lopes Calvo Feijoo II; Anna Paula Uziel II; Ariane Patrícia Ewald II; Deise Mancebo III

I Professor Assistente do Instituto de Psicologia da Universidade Estadual do Rio de Janeiro/UERJ - Rio de Janeiro, RJ, Brasil
II Professor Adjunto do Instituto de Psicologia da Universidade Estadual do Rio de Janeiro/UERJ - Rio de Janeiro, RJ, Brasil
III Professor Titular do Instituto de Psicologia da Universidade Estadual do Rio de Janeiro/UERJ - Rio de Janeiro, RJ, Brasil

Endereo para correspondncia

 

 

O volume 9, número 2 da revista  eletrônica Estudos e Pesquisas em Psicologia vem a público no momento em que o Instituto de Psicologia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro(1964 -2009) encontra-se em plena comemoração dos seus 45 anos. O Projeto Psi 45 vem se concretizando ao longo deste ano com a participação de alunos, professores, técnicos e funcionários que fazem parte desta história. São 45 anos de conquistas acadêmicas na graduação que, de certa forma, propiciaram o surgimento da pós-graduação, hoje com quatro especializações e duas pós-graduações stricto senso, e a consolidação do Serviço da Psicologia Aplicada, que vem ampliando a oferta de campos de experimentação em diferentes áreas de atuação em Psicologia.

A Revista Estudos e Pesquisas em Psicologia também faz parte destas conquistas e há nove anos participa desta história, trazendo artigos nacionais e estrangeiros, comunicações científicas e resenhas que tratam da diversidade dos saberes em Psicologia, bem como de suas interfaces.

Este número da Revista consta de um artigo estrangeiro escrito por Carla Alexandra Filipe Narciso com o título “Espaço público, acção política e práticas de apropriação: conceito e procedências”, além de 14 artigos de autores nacionais. No artigo internacional, a autora problematiza o conceito de espaço público, no que se refere à organização do espaço do cidadão e o espaço da política, destacando as ações do poder público e da iniciativa privada, que têm o poder de materializar e induzir as expressões sociais dos indivíduos em “Filhos de mulheres presas: o papel materno na socialização dos indivíduos”, Claudia Stella reflete sobre o papel que as mães encarceradas podem exercer no processo de socialização de seus filhos. Jorge Guilherme Teixeira da Fonseca trata do tema “O cultivo de si e o individualismo”, trazendo uma crítica à lógica de dominação na sociedade moderna, lembrando que “esta sociedade foi construída por nós, logo também pode ser destruída por nós, e substituída por outra melhor”. O texto “Expressões faciais de emoção em bebês: importância e evidências”, apresentado por Deise Maria Leal Fernandes Mendes e Maria Lúcia Seidl de Moura, aponta para a conveniência de se adotar uma perspectiva sociocultural e evolucionista na formulação de hipóteses e produção de novos estudos empíricos sobre o desenvolvimento das emoções infantis. Em “Um bebê no CAPSI: uma clínica possível”, Pedro Moacyr Brandão Junior, através de uma perspectiva lacaniana, apresenta um estudo de caso no qual confirma a possibilidade de atendimento a bebês nessa Instituição. Ainda tratando o tema da infância, Sheila Maria da Rocha Antony traz o artigo intitulado “Os ajustamentos criativos da criança em sofrimento: uma compreensão da Gestalt-Terapia sobre as principais psicopatologias da infância”, onde contextualiza a criança doente como uma forma de expressão da interrupção de sua auto-regulação organísmica, forma de preservação numa família adoecida. Felipe Tavares Paes Lopes escreve sobre “Bourdieu e Goffman: um ensaio sobre os pontos comuns e as fissuras que unem e separam ambos os autores a partir da perspectiva do primeiro”, no qual aponta para a idéia de que ambos os modelos buscam analisar a dimensão fenomênica do ser e termina por concluir com as principais críticas que Bourdieu faz ao modelo subjetivista goffmaniano. Leonardo Barros Soares e Luciana Lobo Miranda, em “ Produzir subjetividades: o que significa?” discutem a temática da produção de subjetividade a partir dos escritos do pensador francês Félix Guattari. Idilva Maria Pires Germano em “As ruínas da cidade grande: imagens da experiência urbana na literatura brasileira contemporânea” retrata como a prosa de ficção brasileira contemporânea revela que a cidade tem sido objeto privilegiado de reflexão e imaginação poética. Thaís Zerbini e Gardênia Abbad pretendem mostrar como pesquisas em avaliação de treinamentos a distância ainda são incipientes. Regina Célia Cavalcante Maia, Adriana Benevides Soares e Mara Sizino da Victoria buscam, em seu estudo, comparar as habilidades sociais de professores do ensino fundamental e educação infantil bem como verificar as correlações entre as habilidades sociais e a inteligência. Jean Von Hohendorff e  Wilson Vieira de Melo em “Compreensão da morte e desenvolvimento humano: contribuições à Psicologia Hospitalar” concluem que a morte é compreendida de maneira distinta durante as fases do desenvolvimento humano. Em “A gestão da atividade do motorista de ônibus: um olhar ergológico”, Francinaldo do Monte Pinto e Mary Yale Neves expõem um estudo sobre a atividade de gestão do trabalho efetuada pelo motorista de ônibus na cidade de João Pessoa/Pb. Por fim, em “Transformações da subjetividade no exercício do trabalho imaterial”, Sonia Regina Vargas Mansan aponta para o fato de que as relações de trabalho sofreram diferentes transformações nas últimas décadas, alterando a maneira como cada trabalhador implica-se com suas atividades. A sessão especial tem como título “Psicanálise, saúde mental e universidade”, no qual Doris Luz Rinaldi e Sonia Alberti fazem uma homenagem aos dez anos de funcionamento do Programa de Pós-graduação em Psicanálise. A comunicação de pesquisa apresentada por Maria Clara Rebel Araújo e Ricardo Vieiralves-Castro aborda os principais aspectos da pesquisa “Santo Daime: Teoecologia e Adaptação aos tempos modernos”. Por fim, a resenha dessa edição,  de Leandro Castro Oltramari trata do título “Ler o amor, pensar o amor” de Leandro Konder.

Esperamos que os artigos aqui presentes contribuam na ampliação das reflexões de nossos leitores.

 

 

Endereo para correspondncia
Comisso Editorial
Universidade do Estado do Rio de Janeiro UERJ, Rua So Francisco Xavier, 524, bloco B, sala 10.029, 10 andar, CEP 20550-013, Rio de Janeiro-RJ, Brasil
Endereço eletrônico: revispsi@gmail.com



Licença Creative Commons
A revista Estudos e Pesquisas em Psicologia esta licenciada sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial 3.0 Não Adaptada.

 

Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Instituto de Psicologia
© Estudos e Pesquisas em Psicologia
Rua São Francisco Xavier, 524, bloco F, sala 10.005, 10° andar, CEP 20550-013, Rio de Janeiro-RJ, Brasil
Telefone: (21) 2334-0651

E-mail: revispsi@gmail.com