Na boca do outro – o riso na psicose

Carolina Gubert Viola, Mario Fleig

Resumo


O riso, desde Freud, figura como manifestação ímpar do inconsciente. A psicose, a partir de Lacan, ganha lugar especial na clínica psicanalítica. Como em psicanálise sem clínica não se faz teoria, aqui o relevante das surpresas advindas desta fomentaram o estudo proposto. O que se passa quando o riso eclode em sujeitos estruturados na psicose? Das diferentes formas de provocá-lo daremos aqui prioridade ao cômico em sua relação com a queda do significante fálico, este que parece siderar o sujeito psicótico. Indispensável à psicanálise o estatuto ético desta na transposição do trágico pelo cômico e no ato analítico enquanto via para que a voz do sujeito se faça ouvir vem a perguntar sobre isso: será o riso uma possível queda da voz enquanto objeto a tornar-se comunicação?

Palavras-chave


Riso; Sideração; Psicose; Voz

Texto completo:

PDF HTML


DOI: https://doi.org/10.12957/epp.2009.9070

Licença Creative Commons
A revista Estudos e Pesquisas em Psicologia esta licenciada sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial 3.0 Não Adaptada.

 

Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Instituto de Psicologia
© Estudos e Pesquisas em Psicologia
Rua São Francisco Xavier, 524, bloco F, sala 10.005, 10° andar, CEP 20550-013, Rio de Janeiro-RJ, Brasil
Telefone: (21) 2334-0651

E-mail: revispsi@gmail.com