ESTUDOS E PESQUISAS EM PSICOLOGIA, UERJ, RJ, ANO 5, N.2, 2 SEMESTRE DE 2005

Resenha


Os Caminhos Filosficos do Amor

The Philosophical Ways of The Love


 Leandro Castro Oltramari*

 

 

 

Este livro foi escrito pela professora Maria de Lourdes Borges, que docente do curso de Filosofia da Universidade Federal de Santa Catarina, e se coloca um grande desafio, qual seja discutir um dos fenmenos mais difceis de definio de que temos notcia: o amor. Em nossos dias, talvez nunca se tenha indagado tanto sobre para onde esto caminhando as relaes amorosas. bem verdade que talvez ningum saiba muito bem se estas relaes vo a algum lugar, mas, nos ltimos tempos, tm proliferado inquietaes como estas, as quais tm resultado em manuais de sobrevivncia para os relacionamentos afetivos, como namoros, casamentos, ou seja, relacionamentos a dois.

Maria de Lourdes Borges bastante audaz quando discute sobre o amor, pois sua perspectiva no parte de uma psicologia de estantes de auto-ajuda, mas sim de uma discusso filosfica sobre o assunto. Ela inicia fazendo uma abordagem sobre a clssica obra de Goethe, Os sofrimentos do jovem Werther, que, segundo afirma, foi a causadora de inmeros suicdios no sculo XVIII. O livro trata da dor de um amor no correspondido, assunto que talvez dificilmente algum no saiba o que seja. Talvez por isso a referida obra tenha tido tanto sucesso em sua poca.

A autora faz inquietantes colocaes sobre o porqu da necessidade de fazer uma discusso para explicar racionalmente aquilo que se sente to intensamente quanto o amor. Ela ir explicar os trs tipos de amor, tendo como ponto de partida os gregos: Eros, philia e caritas. O amor Eros , com certeza, o mais conhecido e o de maior sucesso, tanto na literatura quanto nas populares novelas. Este amor originado, segundo aponta, de Plato e lembra o amor romntico. O amor Eros aquele ligado falta, ou seja, ao sofrimento. Neste ponto, vale ressaltar a obra de Denis de Rougement (2003), intitulada Histria do amor no Ocidente, que trata de forma muito interessante sobre a constituio do amor no mundo ocidental.

Borges fala, ainda, sobre o outro amor, chamado de philia, que est prximo quele definido por Aristteles e percebido como o que tem um desejo de partilhar a companhia do outro, principalmente se for atravs da virtude. querer o bem do outro. Algo que nos parece difcil nos dias atuais. Este modelo de amor, podemos dizer, seria um modelo spinoziano, segundo Borges. No amor, para Spinoza, no existe falta nem necessidade de um outro ser amado e de se unir a ele. O amor est atrelado alegria da existncia do outro, mesmo que a ele no se esteja unido. Ou seja, um amor quase altrusta. A pessoa feliz porque o amado existe. Por ltimo, ela cita o amor gape ou caritas. Este est mais prximo da philia. um amor que est atrelado ao bem do outro, muito prximo do humanismo cristo.

A partir de ento, a autora faz uma anlise sobre como os filsofos analisaro o amor a partir de sua frmula mais conhecida, e mais contundente, o amor/Eros. Ela comea citando a obra O Banquete, de Plato, que um elogio ao amor, principalmente ao amor que se estrutura sobre a virtude. Os filsofos, nO Banquete, dizem que nada pode ser censurado se for para elevar a virtude do amor, mesmo se depender da humilhao. Borges exemplifica, de forma brilhante, atravs de uma fala de Scrates, as origens mitolgicas do amor. Segundo Scrates, o amor filho de Pnia, a pobreza, e Poros, o esperto. Pnia, deitando-se ao lado de Poros, que estava embriagado em um jardim, concebe o filho Eros, que possui caractersticas dos pais. Portanto, o amor , por um lado, pobre, rude e sujo como sua me, vivendo a mendigar de porta em porta; por outro, astuto e trama estratagemas e maquinaes. Assim, a essncia do amor fazer a ponte entre o humano e o divino (p.15). Ainda assim, a autora afirma que o amor a busca pela sua metade perdida, busca que evidencia a carncia constitutiva de sua pobreza intrnseca (p. 15).

Vale a pena lembrar, como j relatado anteriormente, o exemplo do livro de Rougement. Para este autor, o romance que melhor ilustra o sentimento amoroso descrito acima a obra de Tristo e Isolda. Neste romance, citado por Borges, o amor uma doena da alma, doena que os doentes decidem contrair. Existe a caracterizao de que o amor algo ao qual a pessoa est condenada, pois nele Isolda fornece a Tristo uma poo mgica. Ele, desta forma, apaixona-se perdidamente e ambos no podem ficar sequer longe um do outro, sobre pena de morrerem de amor. O desfecho da obra garantiu o seu sucesso, ao melhor estilo consagrado posteriormente por Shakespeare: os dois amantes morrem ao final.

A obra Tristo e Isolda acabou se tornando um marco dentro da histria romntica universal e, pelo que se percebe, como assinala Borges, o amor Eros, to difundido pela literatura universal, tem ainda hoje feito suas vtimas - todos aqueles que sofrem por amor. Segundo declara, o amor romntico aquele no qual nunca haver a correspondncia, portanto o sofrimento algo intrnseco a ele. Porm, Borges no se priva tambm de levantar outras hipteses sobre o amor, hipteses estas que vo alm das especulaes metafsicas. Ela discute sobre a durao do amor, a partir da Fisiologia, pois os estudos contemporneos revelam que o xtase amoroso dura cerca de 18 meses a 3 anos, em decorrncia de uma substncia chamada feniletilamina, que seria ligada ao sentimento de estar gostando de algum. interessante que trs anos o prazo de validade da poo que Isolda d a Tristo. Pois, ento, seria uma infeliz coincidncia?

A autora traz passagens interessantes que, para os no-experts em Filosofia, causaro surpresas. Primeiro, a preocupao de determinados autores com a temtica e, segundo, as reflexes feitas por estes autores. Ela afirma, por exemplo, que, para Hegel, as pessoas no desejam o outro, mas sim o desejo do outro (p.18). Posteriormente, ir comentar a posio dos esticos sobre o amor. Estes se assombravam com o amor, pois procuravam a virtude, a qual estava na tranqilidade da alma. Para os esticos, o sofrimento e o prazer no amor so faces da mesma moeda. Nada bom para quem procurava a virtude e a calma para filosofar. Mais adiante, Borges cita Descartes e suas paixes da alma, que seriam a oportunidade para que as duas substncias que compem o ser humano - a res cogitans e a res extensa pudessem se unir. A autora lembra que Descartes parte de uma teoria do sculo XVII, a qual explica que a interao da alma e do corpo se fazia atravs de fluidos chamados espritos animais (p.28). Por isso, para ele, no possvel ter controle sobre as paixes.

Borges vai ainda passando por outros autores, como Kant, que defende o amor/caritas e faz uma crtica ao amor/Eros. Para isso, ele faz uma distino entre o amor-afeto e o amor-paixo, valorizando mais o primeiro do que o segundo. Para Kant, o amor apenas possvel porque existe uma desigualdade entre aqueles que amam.

Depois de discutir os preceitos filosficos, a autora ainda tem tempo de lembrar os aspectos cognitivos e fisiolgicos do amor, fazendo assim um rpido levantamento sobre a relao existente entre as emoes e as mudanas comportamentais, quando ento ela define como alguns autores entendem a relao entre mudanas corporais e paixes. Ela faz referncia a teorias que tm, de certa forma, citado este tipo de relao: dentre elas, est a teoria dos sentimentos e a teoria da atitude proposicional.

A teoria dos sentimentos diria que emoes so experincias introspectivas, caracterizadas pela qualidade e intensidade (p.42). J a teoria da atitude proposicional, de Solomon, defende que as emoes so juzos de valores no verbais. Esta teoria indica que sentimos emoes como o prazer por coisas de que gostamos e que apreciamos, assim como sentimos raiva ou dio por coisas que sentimos como sendo ms. Em uma perspectiva evolucionista, as explicaes sobre as emoes revelam que elas aparecem de forma sbita, sem que se consiga control-las. Isto porque, nesta viso, os impulsos de emoes so necessrios para a resoluo rpida de decises, como, por exemplo, fugir de uma situao adversa.

Ao final da obra, a autora faz uma brilhante colocao para todos aqueles que algum dia j sofreram, sofrem ou sofrero do que chamamos amor. No apndice, apresenta uma seleo de textos, como Tristo e Isolda, As paixes da alma, de Descartes, Antropologia do ponto de vista pragmtico, de Kant, Fenomenologia do esprito, de Hegel, Strong Felings, de Jon Elster.

Aps ler o livro, poder-se-ia ter quase a sensao da leitura de mais um destes manuais best sellers de auto-ajuda com tom filosfico, to comum nesta modernidade tardia. Mas no isto que o leitor sente. A sensao que a pergunta continua sem ser respondida. Por que se ama e por que o amor nos alegra ou nos torna infelizes? Bom, talvez esta seja uma resposta que apenas os amantes tenham para nos dar, mas, com certeza, essa obra fornece bons caminhos para pensar sobre o assunto.

 

 

Referncias Bibliogrficas

 

ROUGEMENT, Denis de. Histria do amor no Ocidente. 2 ed. So Paulo: Ediouro, 2003.

BORGES, M. L. Amor. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.

 

 

Recebido em: 05/10/2005

Aceita para publicao em: 16/11/2005

Endereo: leandro@cfh.ufsc.br



* Professor da Universidade do Sul de Santa Catarina (UNISUL) e da Universidade do Vale do Itaja (UNIVALI). Mestre em Psicologia/UFSC e doutorando do Programa Interdisciplinar em Cincias Humanas/UFSC.

 



Licença Creative Commons
A revista Estudos e Pesquisas em Psicologia esta licenciada sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial 3.0 Não Adaptada.

 

Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Instituto de Psicologia
© Estudos e Pesquisas em Psicologia
Rua São Francisco Xavier, 524, bloco F, sala 10.005, 10° andar, CEP 20550-013, Rio de Janeiro-RJ, Brasil
Telefone: (21) 2334-0651

E-mail: revispsi@gmail.com