Da fenomenologia à ética como filosofia primeira: notas sobre a noção de alteridade no pensamento de E. Lévinas

Nelson Coelho Junior

Resumo


Este texto enfoca as relações entre ética e alteridade a partir da obra do filósofo lituano, radicado na França, Emmanuel Lévinas. Destaca-se a relevância de sua concepção de ética e de alteridade para os estudos psicológicos da constituição subjetiva e das relações intersubjetivas. Para Lévinas, o outro concreto e singular precede o sujeito (ainda em constituição) e o traumatiza. A relação intersubjetiva para Lévinas implica, necessariamente, um certo deslocamento, uma certa cisão ou modificação na experiência subjetiva. É a partir dessas posições que emerge uma concepção particular de ética, compreendida como o permanente reconhecimento do outro, que nos antecede e faz com que sejamos alguém. Assim, eticamente não há subjetividade sem que haja antes uma alteridade radical que a possibilite.

Palavras-chave


Ética; Alteridade; Subjetivação; Lévinas

Texto completo:

PDF HTML


Licença Creative Commons
A revista Estudos e Pesquisas em Psicologia esta licenciada sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial 3.0 Não Adaptada.

 

Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Instituto de Psicologia
© Estudos e Pesquisas em Psicologia
Rua São Francisco Xavier, 524, bloco F, sala 10.005, 10° andar, CEP 20550-013, Rio de Janeiro-RJ, Brasil
Telefone: (21) 2334-0651

E-mail: revispsi@gmail.com