A IMPENHORABILIDADE DO BEM DE FAMÍLIA À LUZ DO PRINCÍPIO DA EFETIVIDADE DA TUTELA EXECUTIVA: ANÁLISE DO POSICIONAMENTO DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA

Rosalina Moitta Pinto da Costa, Manuel Albino Riibeiro Azevedo Júnior

Resumo


O presente trabalho analisa a interpretação do STJ acerca da impenhorabilidade do bem de família. Reconhecendo a efetividade da tutela executiva como um direito fundamental decorrente da inafastabilidade da jurisdição, o STJ tem adotado outros critérios além da previsão legislativa das exceções à impenhorabilidade do bem de família, buscando uma ponderação dos direitos fundamentais do devedor, como a dignidade da pessoa humana, a moradia e o direito ao mínimo existencial, e de outros direitos que visam prestigiar o credor. Conclui-se que o reconhecimento do direito fundamental à efetividade da execução tem sido um critério de flexibilização da norma da impenhorabilidade.

 


Palavras-chave


Bem de família; Impenhorabilidade; Efetividade da tutela executiva; Dignidade da pessoa humana; Direito fundamental à efetividade.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/redp.2021.57706



Direitos autorais 2021 Rosalina Moitta Pinto da Costa, Manuel Albino Riibeiro Azevedo Júnior

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Revista Eletrônica de Direito Processual (REDP). e-ISSN: 1982-7636

 

Campus Maracanã, Pavilhão João Lyra Filho, 7º andar

Bloco F, sala 7123. Rio de Janeiro/RJ. Brasil

Telefones: (21) 2334-0072 ou 2334-0312. E-mail: fhrevistaprocessual@gmail.com