O ensino afroperspectivista em sala de aula por um olhar outro da educação

Denis Harmony da Silva, Cecília Conceição Moreira Soares

Resumo


Com a implementação da Lei nº10.639/03, alterada pela Lei nº11.645/08, que tornou e reiterou a inclusão do Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana em todos os currículos escolares do país, na tentativa de estabelecer uma Educação fundamentada pelo mútuo respeito entre todos os brasileiros e, consequentemente, na valorização do ensino antirracista no país, é possível reconhecer sem grandes esforços que ainda há um ‘estranhamento’ em práticas didático-pedagógicas, especialmente, por parte dos professores, para a efetividade do trabalho educativo que atenda as expectativas e as demandas das múltiplas negritudes invisibilizadas, marginalizadas e, quase, silenciadas nas cidades, periferias, morros e favelas. Neste sentido, surge a necessidade de propor uma reflexão acerca de novas alternativas didáticas e metodológicas na sala de aula, pautadas nas visibilidades e no reconhecimento da produção de conhecimento e da circularidade dos saberes dos negros africanos e seus descendentes (afro-brasileiros). Além disso, é preciso admitir, defender e legitimar, também, a existência da Filosofia Africana, fundamentada pela inquietude, movimentação e motivação da experiência e exposição do ‘Ser’ em busca e na produção do conhecimento, sob o sustentáculo do encantamento e da ancestralidade. Assim, objetivamente, a proposta didático-metodológica, deste trabalho, é refletir, conceituar e planejar possibilidades pautadas na afroperspectiva filosófica, ou seja, numa educação antirracista e pelo denegrir da educação (NOGUERA, 2012). Com isso, haverá muito mais provocações e perspectivas do que respostas e finalizações; saindo, assim, da totalidade do pensar para pensar a alteridade, evidenciando, com isso, a diversidade polidialógica e pluriversal.


Palavras-chave


Lei nº 10.639/03. Afroperspectiva. Denegrir da educação. Exu. Pluriversalidade

Texto completo:

PDF

Referências


BARROS, Manoel de. As lições de R.Q. In: Livro sobre nada. Rio de Janeiro: Record, 2000.

BENISTE, José. Dicionário yorubá-português. – Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2011.

BOCK, Ana Mercês Bahia (org.). Psicologias: uma introdução ao estudo de psicologia. – 14ª ed. São Paulo: Saraiva, 2008.

BONDÍA, Jorge Larrosa. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Tradução de João Wanderley Geraldi. Revista Brasileira de Educação, Nº 19: p.20- 28, jan/abr, 2002.

CAPUTO, Stela Guedes. Educação nos Terreiros: e como a escola se relaciona com crianças de candomblé. Rio de Janeiro: Pallas, 2012.

CASTRO, Yeda Pessoa de. Falares africanos na Bahia: um vocabulário afro-brasileiro. Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Letra/TopBooks, 2001.

CASTRO, Yeda Pessoa de. O tráfico transatlântico e a distribuição da população negra escravizada no Brasil Colônia. Revista Digital Africanias.com, n°02, 2012.

EBY, Frederick. História da educação moderna. Porto Alegre: Globo, 1970.

FORQUIN, Jean-Claude. Escola e cultura: as bases sociais e epistemológicas do conhecimento escolar. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 17ª ed. – Rio de Janeiro: Paz e Terra,1987.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 52ª ed. – Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2015.

HAMPATÉ BÂ, Amadou. A tradição viva. Pp.167-212. In: História Geral da África I: Metodologia e pré-história da África. 2ªed. Ki-Zerbo, Joseph (org.) – Brasília: UNESCO, 2010.

JOSÉ, Elena Teresa. Licenciatura ou bacharelado e outras fragmentações no ensino de filosofia. In: Filosofia: Caminhos para seu ensino. KOHAN, Walter O. (org.) – Rio de Janeiro: Lamparina, 2008.

MACHADO, Adilbênia Freire. Filosofia africana e currículo: aproximações. Revista Sul-Americana de Filosofia e Educação. Nº 18: p. 4-27, mai/out, 2012.

MACHADO, Adilbênia Freire. Filosofia africana para descolonizar olhares: perspectivas para o ensino das relações étnico-raciais. # Tear: Revista de Educação Ciência e Tecnologia – Canoas, v.3, Nº 1: p.1-20, 2014.

MOURA, Clóvis. As injustiças de Clio: o negro na historiografia brasileira. – Belo Horizonte: Oficina de livros, 1990.

NOGUERA, Renato. Denegrindo a filosofia: o pensamento como coreografia de conceitos afroperspectivistas. Griot – Revista de Filosofia, Amargosa, Bahia, v. 4, Nº 2: p. 01-19, dezembro/2011.

NOGUERA, Renato. Denegrindo a educação: Um ensaio filosófico para uma pedagogia da pluriversalidade. Revista Sul-Americana de Filosofia e Educação. N°18: p.62-73, mai/out, 2012.

NOGUERA, Renato. Contra o (maior) tabu da Filosofia: Ensino de Filosofia e os 10 anos da Lei n° 10.639/03. In: A Lei n° 10.639/03: pesquisas e debates. Wilma de Nazaré Baía Coelho (org.) – São Paulo: Editora Livraria de Física, 2017.

RIBEIRO Ronilda Iyakemi. De boca perfumada a ouvidos dóceis e limpos. Ancestralidade Africana, tradição oral e cultural brasileira. Itinerários, Araraquara, n° 13, 51-66, 1998.

SANTOS, Juana Elbein dos. Os Nàgôs e a morte: Pàde, àsèsè e o culto de Égun na Bahia. Traduzido pela Universidade Federal da Bahia. Petrópolis: Vozes, 1986.

SILVA. Denis Harmony Santos da. Axé music ou música de axé. - p.1953-1964. In_: Anais do II Congresso Internacional Línguas, Culturas e Literaturas em Diálogos: identidades silenciadas [Recurso Eletrônico]. Brasília: Editora IFB, 2018.

SOARES, Emanoel Luís Roque. As vintes e uma faces de Exu na filosofia afrodescendentes da educação: imagens, discursos e narrativas. – Dissertação de Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Ceará, Faculdade de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, Fortaleza-CE, 2008.

SODRÉ, Muniz. Pensar nagô. – Petrópolis, Rj: Vozes, 2017.

SOUZA, Florentina; LIMA, Maria Nazaré (org.). Literatura afro-brasileira. Salvador: Centro de Estudos Afro-Orientais (CEAO); Brasília: Fundação Cultural Palmares, 2006.




DOI: https://doi.org/10.12957/redoc.2021.56606

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Indexação:

           


 

Google Acadêmico::

 

(Citações /Métricas)

 

Visualizações:

 


Licença:

  Esta obra está licenciada com uma Licença  Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.