O FACEBOOK ENQUANTO UM ESPAÇO PEDAGÓGICO QUE GOVERNA A CONDUTA DOCENTE

Letícia Farias Caetano, Kamila Lockmann

Resumo


O presente trabalho visa analisar como os discursos sobre uma imagem idealizada de professor, que circulam em redes sociais como o Facebook, vêm produzindo modos de ser docente. Para isso, analisamos as postagens publicadas em páginas virtuais como “Professores Sofredores”, “Professora Indelicada” e “Pedagogia da Depressão”, a partir de 2012, assim como os comentários feitos nessas páginas. Ao analisar o material empírico estabelecemos algumas relações com os estudos de Michel Foucault, a partir das problematizações que o filósofo faz sobre o poder pastoral. Nos discursos produzidos no Facebook vislumbramos algumas características do poder pastoral, reconfiguradas e atribuídas ao exercício docente na atualidade, aproximando o professor da figura de um pastor, condutor de um rebanho. Pautadas por uma vertente pós-estruturalista, sinalizamos, também, que os discursos produzidos nessas páginas vêm constituindo modos de ser e exercer a docência na Contemporaneidade, colocando o Facebook como um espaço pedagógico, pois, através das práticas discursivas que fabrica, conduz condutas, incidindo sobre o trabalho do professor e em como vivemos a docência hoje.


Palavras-chave


Facebook. Discurso. Docência. Poder Pastoral. Governo.

Texto completo:

PDF

Referências


BALINHAS, Vera Lúcia Gainssa. et al. Imagens da docência: um estudo sobre o processo de trabalho e o mal-estar docente. Revista Mal-estar e Subjetividade. Fortaleza. Vol. XIII. Nº 1-2. Mar/Jun., 2013, p. 249-270.

COSTA, Marisa Vorraber. Estudos culturais e educação – um panorama. In: SILVEIRA, Rosa Maria Hessel. (Org.). Cultura, poder e educação: um debate sobre estudos culturais em educação. Canoas: Editora ULBRA, 2005. p. 107-120.

COUTO, Edvaldo Souza.; MELO, Caio.; MOREIRA, Ana Paula.; XAVIER, Maíse. Da cultura de massa às interfaces na era digital. R. Faced, Salvador, n.14, p. 105-118, Jul/Dez. 2008.

DUSSEL, Inês.; CARUSO, Marcelo. A invenção da sala de aula: uma genealogia das formas de ensinar. São Paulo: Moderna, 2003.

FISCHER, Rosa Marias Bueno. Técnicas de si e tecnologias digitais. In: SOMMER, Luis Henrique. BUJES, Maria Isabel Edelweiss. (Orgs.). Educação e cultura contemporânea: articulações, provocações e transgressões em novas paisagens. Canoas: ULBRA, 2006.

FOUCAULT, Michel. Segurança, território, população: curso no Collège de France (1977- 1978). São Paulo: Martins Fontes, 2008.

______. Do governo dos vivos: curso no Collège de France (1979-1980). São Paulo: Martins Fontes, 2014.

GADELHA, Sylvio de Souza. De fardos que podem acompanhar a atividade docente ou de como o mestre pode devir burro (ou camelo). Educação e Sociedade. vol. 26, n. 93, p. 1257-1272, Set./Dez. 2005.

GARCIA, Maria Manuela Alves. O intelectual educacional e o professor críticos: o pastorado das consciências. In: Currículo sem fronteiras, v. 2, n.2, p. 53-78, Jul./Dez. 2002.

GHIRALDELLI Jr, Paulo. História da educação brasileira. São Paulo: Cortez, 2009.

HERMES, Simoni Timm. O atendimento educacional especializado como uma técnica de governamento: a condução das condutas docentes na escola inclusiva. Santa Maria: UFSM, 2012. Dissertação (Mestrado em Educação). Programa de Pós-Graduação em Educação, Centro de Educação, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2012.

LAZZARATO, Mauricio. La fabrique de l’homme endetté: essai sur la condition néolibérale. Paris: Éditions Amsterdam, 2011.

MARÍN-DIAZ, Dora. NOGUERA-RAMÍREZ, Carlos Ernesto. Educar es governar: In: SALCEDO, Ruth Amanda Cortés; Marín-Díaz, Dora Lilia. Gobernamentalidad y educación: discosiones contemporâneas. Bogotá, Colombia: IDEP, 2009. p. 127-151.

NOGUERA-RAMÍREZ, Carlos Ernesto.; MARÍN-DIAZ, Dora Lilia. Educar es gobernar: la educación como arte de gobierno. Cadernos de Pesquisa. v. 42. n. 145. p. 14-29. Jan./Abr. 2012.

NÓVOA, Antônio. Para o estudo sócio-histórico da gênese e desenvolvimento da profissão docente. Teoria & Educação. Maringá, nº 4, p. 109-139, 1991.

RECUERO, Raquel A conversação em rede: comunicação mediada pelo computador e redes sociais na internet. Porto Alegre: Sulina, 2014.

SALES, Shirlei Rezende. Etnografia+netnografia+análise do discurso: articulações metodológicas para pesquisar em Educação. In: MEYER, Dagmar Estermann.; PARAÍSO, Marlucy Alves. (Orgs.). Metodologias de pesquisas pós-críticas em educação. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2012. cap. 5, p. 111-132.

SILVA, Roberto Rafael Dias da. Docência, governo e verdade: elementos para uma análise anarqueológica. Espaço Pedagógico. v. 21, n. 2. Passo Fundo, p. 403-418, jul./dez. 2014.

VARELA, Julia. ALVAREZ-URIA, Fernando. A maquinaria escolar. Teoria & Educação. Porto Alegre: Pannonica Editora, 1992, nº 6, p. 68-96.




DOI: https://doi.org/10.12957/redoc.2020.50446

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores:

           


Índice de citação de artigos:


Visualizações:

 


Licença:

  Esta obra está licenciada com uma Licença  Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.