EXPERIÊNCIAS INTERSECCIONAIS COTIDIANAS: UM ENCONTRO ENTRE MULHERES NEGRAS E PERIFÉRICAS

Danielle Christina do Nascimento Oliveira

Resumo


O presente trabalho é parte de uma pesquisa em andamento, que busca dialogar com novas histórias de pertencimento e emancipação a partir de experiências interseccionais cotidianas baseadas no feminismo negro diaspórico. Tendo como objetivos problematizar os impactos, as tensões, os conflitos e as negociações que as diversas redes educativas produzem a partir da naturalização do racismo. Este trabalho, narra a trajetória de mulheres negras a partir do “encontro” – utilizado também como metodologia – delas com/na Universidade pública. Fazendo-se necessário repensarmos o quão importante são esses espaços, sobretudo para a população negra e periférica. Por fim, traz algumas tensões e negociações vivenciadas pelas protagonistas, para permanecerem neste espaço formativo; e busca contribuir com a produção e socialização dos conhecimentos/saberes afrodiaspóricos, trazendo reflexões acerca do protagonismo e dos processos identitários de mulheres negras.


Palavras-chave


Feminismo negro; Processos Identitários; Espaços formativos;

Texto completo:

PDF

Referências


ARRAES, Jarid. Heroínas negras brasileiras: em 15 cordéis. São Paulo: Pólen, 2017. ISBN: 978-85-983-4945-9.

BUTLER, Judith. Quadro de guerra. Quando a vida é passível de luto? Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015, p. 13-53.

CRENSHAW, Kimberle Williams A Intersecionalidade na discriminação de raça e gênero. In: VV.AA. Cruzamento: raça e gênero. Brasília: Unifem, 2004. Disponível em: . Acesso em: 01 abr. 2019.

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. 1ª edição, São Paulo: Boitempo, 2016.

EXAME. Mercado dos sex shops segue em alta. Disponível em: . Acesso em: 16 jul. 2019.

FANON. Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Salvador: EDUFBA, 2008.

FERNANDES, Lygia de Oliveira. “Não falo do lugar dos derrotados”: O encontro de saberes e suas potencialidades emancipatórias. 2019. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2019.

FRANCO, Marielle. A emergência da vida para superar o anestesiamento social frente à retirada de direitos: o momento pós-golpe pelo olhar de uma feminista, negra e favelada. In: Winnie Bueno, Joanna Burigo, Rosana Pinheiro-Machado, Esther Solano. (Org.). Tem Saída? Ensaios críticos sobre o Brasil. Porto Alegre: Editora Zouk, 2017, p. 89-95. ISBN: 978-85-8049-058-9. Disponível em: < http://www.editorazouk.com.br/Capitulo-MarielleFranco.pdf >. Acesso em: 01 jul. 2019.

HOOKS, bell. Vivendo de amor. In: WERNECK, Jurema. (Org). O livro da saúde das mulheres negras: nossos passos vem de longe. 2ª edição, Rio de Janeiro: Pallas/Criola, 2006, p. 188-198. ISBN 85-87137-03-4.

PACHECO, Ana Cláudia Lemos. “Branca para casar, mulata para f.... e negra para trabalhar”: escolhas afetivas e significados de solidão entre mulheres negras em Salvador, Bahia. (Tese de Doutorado, Universidade Estadual de Campinas, 2008).

PASSOS, Mailsa Carla Pinto. Encontros cotidianos e a pesquisa em Educação: relações raciais, experiência dialógica e processos de identificação. In: Educar em Revista. Curitiba: Editora UFPR, n. 51, jan./mar. 2014, p. 227-242. Disponível em: . Acesso em: 05 jul. 2019.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala?. Belo Horizonte: Letramento, 2017. ISBN 978-85-9530-040-8.

ROMIO, Jackeline Aparecida. Feminicídio cresce entre mulheres negras e indígenas e diminui entre brancas, aponta pesquisadora. In: Câmara dos Deputados. Disponível em: < https://www2.camara.leg.br/camaranoticias/noticias/DIREITOS-HUMANOS/565155-FEMINICIDIO-CRESCE-ENTRE-MULHERES-NEGRAS-E-INDIGENAS-E-DIMINUI-ENTRE-BRANCAS,-APONTA-PESQUISADORA.html>. Acesso em: 20 mai. 2019.

SANTOS, Sônia Beatriz dos. Feminismo Negro Diaspórico. Revista Gênero, Niterói: UFF, n.1, v. 8, 2º sem. 2007, p. 11-26. Disponível em: < http://www.revistagenero.uff.br/index.php/revistagenero/article/view/157>. Acesso em: 30 mar. 2019.

SOUZA, Claudete Alves da Silva. A solidão da mulher negra: sua subjetividade e seu preterimento pelo homem negro na cidade de São Paulo. (Dissertação de Mestrado, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2008).

SOUZA, Neusa Santos. Tornar-se negro. 2ª edição, Rio de Janeiro: Graal, 1983.




DOI: https://doi.org/10.12957/redoc.2019.44938

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Indexação:

           


 

Google Acadêmico::

 

(Citações /Métricas)

 

Visualizações:

 


Licença:

  Esta obra está licenciada com uma Licença  Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.