EDUCAÇÃO MUSEAL EM REDE: SURGIMENTO E ATUAÇÃO DAS REDES DE EDUCADORES EM MUSEUS NO BRASIL

Mona Ribeiro Nascimento, Leane Cristina Ferreira Gonçalves

Resumo


O presente artigo tem como objetivo traçar um breve panorama histórico do surgimento e atuação das Redes de Educadores em Museus no Brasil, bem como refletir sobre como este modelo de organização vem se consolidando num importante meio de fortalecimento da sociedade civil no campo da Educação Museal, haja vista sua relevante atuação no contexto da elaboração e aprovação da Política Nacional de Educação Museal (PNEM). Para tanto, inicialmente apresentaremos algumas possibilidades do conceito de rede e em que momento este passou a figurar no contexto das organizações sociais. A seguir nos debruçaremos sobre o contexto de criação da primeira Rede de Educadores em Museus do Brasil, nomeadamente a Rede de Educadores em Museus do Rio de Janeiro, em 2003, e das demais que a seguiram nos anos seguintes, dando uma atenção especial à Rede de Educadores em Museus da Bahia, à qual compomos. Por fim, ressaltamos a importância das organizações em rede, sobretudo as Redes de Educadores em Museus, no exercício de elaboração e implementação de políticas públicas, a partir da experiência de atuação da Rede de Educadores em Museus da Bahia na construção e aprovação da PNEM.


Palavras-chave


Educação Museal; Rede de Educadores em Museus; Políticas Culturais

Texto completo:

PDF

Referências


BARBALHO, Alexandre. “Acho que o que eu peguei foi uma coisa meio fora do normal”: Mobilização e Crise na gestão Ana de Hollanda. In: Políticas Culturais: conjunturas e territorialidades [recurso eletrônico] /organização Lia Calabre e Deborah Rebello Lima; tradução Marisa Shirasuna; revisão Karina Hambra; textos Ana Rosas Mantecon et al. – Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa; São Paulo: Itaú Cultural, 2017.

CANÇADO, Airton Cardoso; TENÓRIO, Fernando Guilerme; PEREIRA, José Roberto. Gestão social: reflexões teóricas e conceituais. In: Cad. EBAPE.BR, v. 9, nº 3, artigo 1, Rio de Janeiro, Set. 2011 p.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 2000, p. 498.

IBRAM. Caderno da Política Nacional de Educação Museal. Brasília, DF. 2018

MARTINHO, Cássio. Redes: uma introdução às dinâmicas da conectividade e da auto-organização. Brasília: WWF Brasil, 2003.

REM BAHIA. Carta de Princípios e Regimento Interno. 2018. Disponível em: https://drive.google.com/file/d/1jbWl-sK1I0k0dJ5Xe4FjSs1nLC8AfFL7/view

SILVA, Frederico Augusto Barbosa da. Os Sentidos do Sem Sentido: Lembranças do “REDESENHO” In: Políticas Culturais: conjunturas e territorialidades [recurso eletrônico] /organização Lia Calabre e Deborah Rebello Lima; tradução Marisa Shirasuna; revisão Karina Hambra; textos Ana Rosas Mantecon et al. – Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa; São Paulo: Itaú Cultural, 2017.

MARTINS, Luciana. Associações de educadores de museus na construção da Política Nacional de Educação Museal: representatividade e participação. In: Rede de Redes [recurso eletrônico] – diálogos e perspectivas das redes de educadores de museus no Brasil / Joselaine Mendes Tojo, Lilian Amaral (organizadoras). - São Paulo, 2018. 309 p. Modo de acesso: https://www.sisemsp.org.br/redederedes

CÂNDIDO, Manuelina. Por que se enredar? Vivências em Redes de Educadores em Museus. In: Rede de Redes [recurso eletrônico] – diálogos e perspectivas das redes de educadores de museus no Brasil / Joselaine Mendes Tojo, Lilian Amaral (organizadoras). - São Paulo, 2018. 309 p. Modo de acesso: https://www.sisemsp.org.br/redederedes




DOI: https://doi.org/10.12957/redoc.2019.39944

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores:

           


Índice de citação de artigos:


Visualizações:

 


Licença:

  Esta obra está licenciada com uma Licença  Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.