Práticas ciberculturais e a autoria do professor: as redes de criação educativas no cotidiano da escola

Maristela Midlej Silva de Araujo Veloso, Maria Helena Silveira Bonilla

Resumo


O trabalho tem por objetivo analisar as práticas ciberculturais e a autoria do professor no cotidiano da escola. O estudo foi conduzido pela pesquisa-formação em diálogo com os estudos da cibercultura. A pesquisa foi desenvolvida em uma Escola Estadual da Bahia. Neste trabalho, analisamos a rede da criação e o processo de autoria de uma professora praticante. Parte dos resultados alcançados revelaram que a autoria/criação do professor acontece em rede, na sua temporalidade específica e relacional, e que não basta fazer uso das tecnologias digitais; é preciso propor metodologias que desencadeiem a construção coletiva de conhecimentos. A autoria acontece quando o professor se abre para a inovação. Assim, a partir de atos autorizantes, se permite o exercício da autonomia ou, mais ainda, a ousadia tomada nos procedimentos da criação, de acordo com o contexto e as ocasiões que lhe são próprias. Como os saberes docentes para mediação em espaços híbridos de aprendizagem ainda estão em construção, constatamos que é preciso criar redes de colaboração na escola, não só formando os professores, mas formando concomitantemente alunos, coordenador pedagógico, funcionários. Além disso, é preciso, principalmente, que as escolas se abram para ajudas externas.


Palavras-chave


práticas ciberculturais; autoria do professor;cotidiano da escola;rede de criação

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/redoc.2017.30487

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores:

           


Índice de citação de artigos:


Visualizações:

 


Licença:

  Esta obra está licenciada com uma Licença  Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.