NADA MAIS QUE A VERDADE: UM ESTUDO PSICANALÍTICO SOBRE A CONCEPÇÃO DE MENTIRA

Patrícia Palombini, Carlos Mendes Rosa

Resumo


DOI: 10.12957/polemica.2017.28293
_________

Este trabalho tem como objetivo colocar em xeque a noção de verdade para a psicanálise e indicar as consequências clínicas desse questionamento, a partir da apresentação da noção freudiana de construção e da lacaniana de mentira. Aprendemos com o texto freudiano “Construções em Análise” que não podemos nos guiar, na clínica, por um binômio que diferencie, de forma simplista, o verdadeiro do falso. Já a concepção de mentira, em Lacan, nos permite um novo posicionamento frente à ideia de verdade, rompendo com o que convencionamos nomear de mentira. Apresenta-se a mentira não mais como um recurso usado apenas por aqueles que querem enganar. Isso, pois Lacan não nos traz a mentira como um recurso linguístico, como uma possibilidade de, com a linguagem, se mentir ou não, mas como uma tentativa de aproximação do real.

Palavras-chave: Verdade. Construção. Psicanálise. Mentira.

__________

Abstract: This paper aims to question the notion of truth in psychoanalysis and to point at the clinical consequences of that questioning based on the presentation of the Freudian concept of construction and the Lacanian concept of lying. We learn from Freud’s text “Constructions in Analysis” that our clinic cannot be based on a binomial that differentiates, simplistically, the true from the false. On the other hand, Lacan’s definition of lying allows us to adopt a new stance on the idea of truth, breaking with what we traditionally have called a lie. Lying is not just a resource used by those who aim to cheat. Lacan does not define the lie as a linguistic resource, as a possibility to use language to lie or not to, but as an attempt to approach the real.

Keywords: Truth. Construction. Psychoanalysis. Lie.

 


Texto completo:

PDF ler no site


DOI: https://doi.org/10.12957/polemica.2017.28293