CANDOMBLÉ ANGOLA E O CULTO A CABOCLO: DE COMO JOÃO DA PEDRA PRETA SE TORNOU O REI NAGÔ

Andrea Mendes

Resumo


Andrea Mendes

DOI: 10.12957/periferia.2014.17276

Joãozinho da Goméia (João Alves Torres Filho, 1914-1971) foi um pai de santo do candomblé angola, que migrou da cidade de Salvador para Duque de Caxias (na Baixada Fluminense) na década de 1940, onde conquistou grande popularidade e se
tornou um personagem conhecido – e controvertido - no universo do candomblé. Considerado líder de um culto pouco legítimo no meio conservador do candomblé de seu tempo, no início de sua trajetória como pai de santo era conhecido como “João da Pedra Preta”, em função do caboclo que se manifestava nele, muito procurado por seus seguidores. Nesse artigo, proponho uma análise de suas experiências no culto a
caboclo, bem como rastrear alguns sentidos desse culto no candomblé, de modo geral, e suas possíveis ligações com práticas religiosas centro-africanas em uma memória de
longa duração.


Palavras-chave


Joãozinho da Goméia; Candomblé Angola; Candomblé de Caboclo; centro-africanos

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/periferia.2014.17276

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil  

Revista Periferia, uma publicação eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Educação, Cultura e Comunicação em Periferias Urbanas – PPGECC/UERJ - ISSN: 1984-9540