PRÁTICAS DOCENTES NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONSCIENTIZAÇÃO OU CONVERSÃO?

Alessandra Nicodemos

Resumo


Marta Ferreira

DOI: 10.12957/periferia.2014.17248

O presente artigo pretende estabelecer o debate das possibilidades de práticas docentes comprometidas com a transformação das relações educativas e societárias em espaços formais de escolarização para jovens e adultos trabalhadores. Esse esforço e esse compromisso político, por parte dos docentes, estão fortemente vinculados ao pensamento freiriano e aos pressupostos da Educação Popular. O debate será estabelecido a partir da categoria conscientização, em diálogo com autores de matrizes crítica e conservadora, a saber: Paulo Freire, Miguel Arroyo, Marilena Chauí, Giovanni Semeraro, Hugo Lovisolo e Hannah Arendt. Procura-se, assim, problematizar, a partir de tal categoria, os caminhos metodológicos e políticos de uma educação de jovens e adultos comprometida com a emancipação de seus alunos e com a transformação societária, entendendo, portanto, que tais ações se consubstanciam na atualização/radicalização dos pressupostos da Educação Popular em processos formais de escolarização.


Palavras-chave


Educação de Jovens e Adultos; práticas docentes; conscientização

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/periferia.2014.17252

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil  

Revista Periferia, uma publicação eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Educação, Cultura e Comunicação em Periferias Urbanas – PPGECC/UERJ - ISSN: 1984-9540