MESTIÇAGEM À BRASILEIRA: O ESTIGMA DO MESTIÇO NA LITERATURA NACIONAL

Débora de Souza França

Resumo


Débora de Souza França

DOI: 10.12957/periferia.2013.15321

O presente artigo pretende analisar os aspectos da obra de Erving Goffman acerca do conceito de estigma, que se encontra presente na sociedade brasileira sob muitas formas. Como foco principal deste trabalho, pretende-se analisar o estigma da mestiçagem incorporado à nossa sociedade desde nosso mito fundador, em que se dá a união de três raças principais (negra, branca e indígena). Para essa efetiva análise, refletiremos com base nos textos literários desde o Romantismo (século XVIII) até o Modernismo da Semana Nacional de Arte Moderna, no século XX.


Palavras-chave


Estigma, miscigenação, literatura.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/periferia.2013.15321

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil  

Revista Periferia, uma publicação eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Educação, Cultura e Comunicação em Periferias Urbanas – PPGECC/UERJ - ISSN: 1984-9540