SENTIDOS POLÍTICOS NAS POLÍTICAS CURRICULARES

Éderson Andrade, Jorcelina Elizabeth Fernandes

Resumo


Éderson Andrade, Jorcelina Elizabeth Fernandes

DOI: 10.12957/periferia.2013.15320

Neste artigo discutimos a importância de pensar e analisar as políticas de currículo a partir dos seus sentidos políticos. Sinalizamos que a articulação entre os dois sentidos se torna potente para os estudos curriculares, uma vez que permite a descentralização de poder na constituição de políticas públicas. A partir das discussões travadas por Chantal Mouffe acerca dos sentidos de negociações entre os sujeitos no nível ôntico e ontológico, da visão agonista e antagonista, argumentamos a necessidade de uma leitura das políticas curriculares como cenários de disputas em que os consensos são sempre conflituosos. Dessa forma, entendemos que a política curricular sempre está em um processo de porvir, e não uma fixação a ser reproduzida, um ato eminentemente político.


Palavras-chave


Política de currículo, sentidos políticos, políticas públicas.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/periferia.2013.15320

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil  

Revista Periferia, uma publicação eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Educação, Cultura e Comunicação em Periferias Urbanas – PPGECC/UERJ - ISSN: 1984-9540