ENTRE PINTURA E LITERATURA, A MEMÓRIA-MÓBILE / Between painting and literature, the mobile memory

Danielle Cristina Mendes Pereira Ramos

Resumo


Este trabalho investiga a dicção poética do eu na literatura contemporânea, tramada pelo que reconhecemos como uma memória-móbile, isto é, pela compreensão da memória em sua condição plural e plasmável - uma instância em moto perpétuo de construção, a partir de jogos simbólicos de negociação de imagens. A partir desse diapasão, propomos a reflexão sobre os livros de contos, de Lygia Fagundes Telles, Invenção e Memória (2009) e Conspiração de Nuvens (2007)com o fito de estabelecer conexões entre o ficcional, o autobiográfico e os processos de organização de imagens relativas à memória. Muito especificamente, interessa-nos estudar a figuração de imagens do eu através da experiência infantil, explorando a composição de tais imagens e seu alinhamento a uma abordagem que faz do topos da infância uma estratégia estética a tangenciar narrativas subjetivas e experimentação artística. Propomos uma leitura comparativa e intersemiótica entre as referidas obras de Telles e as seguintes pinturas de Tarsila do Amaral: A Negra (1923); e Abaporu (1928). A fim de entender o papel dessa memória-móbile, entre o pictórico e o poético, examinaremos modos pelos quais as artistas, através de linguagens estéticas distintas, lidam com pontos de contato em suas criações, a saber, a tessitura de imagens simbólicas da infância por narrativas coletivas, e os elos entre pinturas que englobam narrativas e narrativas que conformam imagens visuais.


Palavras-chave


Lygia Fagundes Telles; Tarsila do Amaral; Memória

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/pr.2019.44810

Pensares em Revista no Diadorim Pensares em Revista na BASE Pensares em Revista no Diadorim Pensares em Revista no Google Scholar Pensares em Revista no Latindex Pensares em Revista no Livre Logo do Periódicos CAPES

 

R. Dr. Francisco Portela, 1470 - Patronato, São Gonçalo - RJ, CEP: 24435-005