Samba, cachaça e viola: patrimônio cultural e memória linguística em forma de canção

Daisy Cordeiro, Lúcia Maria Parcero

Resumo


Este artigo tem por objetivo analisar a canção Samba, cachaça e viola, de autoria do sambador João do Boi e gravada pelo grupo Samba Chula de São Braz, buscando refletir sobre como a poética oral do grupo trabalha com a memória para o fortalecimento da identidade e da valorização étnico-racial por meio do samba de roda, Patrimônio Histórico Cultural Imaterial da Humanidade, e das influências das línguas africanas nos falares das sambadeiras e sambadores de roda na letra da cantiga. A metodologia empregada sustenta-se em uma abordagem qualitativa para a pesquisa, através de descrição linguística dos dados, revisão da literatura pertinente para tratar do tema da pesquisa e análise dos recursos linguísticos. De acordo com os resultados obtidos, as influências das línguas africanas estão presentes no léxico e em aspectos morfo-sintáticos, comprovando a manutenção da memória linguística e a afirmação da identidade étnico-racial dos falantes do Recôncavo.

Palavras-chave


Samba chula; Línguas africanas; Oralidade; Patrimônio Cultural; Memória linguística.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/palimpsesto.2018.36018

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Daisy Cordeiro, Lúcia Maria Parcero

 


ISSN 1809-3507 | DOI: 10.12957/palimpsesto


Palimpsesto é uma publicação do corpo discente do Programa de Pós-Graduação em Letras da UERJ:

UERJ >> Instituto de Letras >> Programa de Pós-graduação em Letras

 


Indexado nas seguintes bases:

 

Periodicos CAPES Latindex Find in a library with WorldCat MLA Livre MIAR ResearchBib BASE Logo UF Libraries University of Texas Libraries  Library Logo UCLA Library University of Wisconsin - Madison Libraries EZB


Licença Creative Commons

A Palimpsesto utiliza uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.