Entre o popular e o erudito: conjurações fáusticas em Guimarães Rosa e Christopher Marlowe

Leonardo Vieira Almeida

Resumo


Vinculado principalmente, segundo o clássico estudo de Leonardo Arroyo, A cultura popular em Grande sertão: veredas, à tradição oral, o suposto pacto com o diabo, na obra de Guimarães Rosa, tem sua fonte escrita clássica mais antiga, no que diz respeito ao mito fáustico, na peça de teatro A história trágica do Doutor Fausto, de Christopher Marlowe. Se o texto do contemporâneo de William Shakespeare tem por base a tradução do livro anônimo, publicado em 1587, o Volksbuch, pelo editor alemão Johann Spies, ele se insere no palco da ambiguidade: Fausto é um exemplum da moral protestante ou sua face prometeica, como símbolo das aspirações renascentistas? No caso do opus magnum do escritor mineiro, onde também convergem vertentes eruditas e populares do mito, este não se exila deste terreno da dúvida. Porém, se em Marlowe o contrato demoníaco é eleito como hýbris que leva o personagem à sua possível derrocada pelo concurso com Mefistófeles, em Rosa há uma desconstrução da própria ideia de pacto, em que Riobaldo, ser por excelência dividido, não exibe marcas evidentes do ritual luciferino, mas sua face fantasmática, eco do nada e do desregramento.

Palavras-chave


Grande Sertão: Veredas, pacto fáustico, cultura popular, poética da distensão.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Leonardo Vieira Almeida

 


ISSN 1809-3507 | DOI: 10.12957/palimpsesto


Palimpsesto é uma publicação do corpo discente do Programa de Pós-Graduação em Letras da UERJ:

UERJ >> Instituto de Letras >> Programa de Pós-graduação em Letras

 


Indexado nas seguintes bases:

 

Periodicos CAPES Latindex Find in a library with WorldCat MLA Livre MIAR ResearchBib BASE Logo UF Libraries University of Texas Libraries  Library Logo UCLA Library University of Wisconsin - Madison Libraries EZB


Licença Creative Commons

A Palimpsesto utiliza uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.