Dos Párias aos Pares: as redes sociais na formação do reconhecimento dos foreign Fighters | From Outsider to the Peers: the social networks in the foreign fighters recognition formation

Jessika Cardoso de Medeiros

Resumo


Este artigo investiga as redes sociais do Estado Islâmico e como elas são usadas para o recrutamento de novos combatentes estrangeiros, conhecidos como foreign fighters. E ao mesmo tempo, é nas redes sociais em que esses combatentes procuram o reconhecimento que pode lhes ser negado ou ignorado dentro da sociedade em que estão previamente inseridos. Para a realização desta análise, o presente trabalho foi dividido em três sessões: a primeira é focada na apresentação do Al Hayat Media Center, que consiste no centro de mídia do Estado Islâmico responsável pela confecção e propagação da propaganda, consequentemente das redes sociais; a segunda sessão é feita uma análise das redes sociais e como elas auxiliam no recrutamento; por fim, o reconhecimento é utilizado para embasar a procura pelo Estado Islâmico por esses indivíduos.

Palavras-Chave: Redes Sociais; foreign fighters; Reconhecimento.

 

 ABSTRACT

This article investigates the social networks of the Islamic State and how they deployed for the recruitment of new foreign fighters. And at the same time, it is in social networks that these fighters seek the recognition that can be denied or ignored within the society upon which they inserted. For this analysis, the present work was divided into three sessions: the first is focus on the presentation of the Al Hayat Media Center, which consists of the Islamic State’s media center responsible for confection and propagation of propaganda, consequently liable for the social networks; the second session consists an analysis of social networks and how they assist in recruitment; finally, recognition was applied to support the Islamic State’s demand for these individuals.

 

Keywords: Social networks; foreign fighters; Recognition.

 

Recebido em: 06 jul. 2021 | Aceito em: 10 jan. 2022.

 


Palavras-chave


Redes Sociais; foreign fighters; Reconhecimento

Texto completo:

PDF

Referências


Ali, M. (2015). ISIS AND PROPAGANDA: HOW ISIS EXPLOITS WOMEN. Elaborada por Reuters Institute Fellowship Paper e University of Oxford. Disponível em: https://reutersinstitute.politics.ox.ac.uk/sites/default/files/research/files/Isis%2520and%2520Propaganda-%2520How%2520Isis%2520Exploits%2520Women.pdf [Acesso em: 15 jan. 2019].

Ayad, M. (2020). The Propaganda Pipeline: The ISIS Fuouaris Upload Network on Facebook. Elaborada por Istitute for Strategic Dialog (ISD). Disponível em: https://www.isdglobal.org/isd-publications/the-propaganda-pipeline-the-isis-fuouaris-upload-network-on-facebook/ [Acesso em 14 dez. 2021].

Bacellar, J. S., Medeiros, J. C. (2021). ‘Cruzados E Proxies: A Visão Do Estado Islâmico Sobre A Guerra De Procuração’. Gepom em Revista, n. 2, pp. 107-129, [Online]. Disponível em: https://46bc2437-e141-4f50-8add-af9bc533f926.filesusr.com/ugd/91bec4_c6318a3edc80492e8be23762d0644365.pdf[Acesso em: 10 dez. 2021].

BBC. (2016). How Islamic State uses media as key propaganda tool. Disponível em: http://www.bbc.com/news/world-middle-east-35263644 [Acesso em: 11 jan. 2019].

Canavilhas, J. M. (2001). Webjornalismo: Considerações gerais sobre jornalismo na web. In: I Congresso Ibérico de Comunicação, Espanha. Disponível em: http://www.bocc.ubi.pt/pag/canavilhas-joao-webjornal.pdf [Acesso em: 11 jan. 2019].

Cockburn, P. (2015). A Origem do Estado Islâmico: o fracasso da guerra ao terror e a ascensão jihadista. São Paulo: Autonomia Literária.

Cramer, C. (2005). Why the world is watching CNN. Elaborada por CNN. Disponível em: http://edition.cnn.com/services/opk/cnn25/cnns_impact.htm [Acesso em: 11 jan. 2019].

Dabiq Magazine. [s.l.]. (2014b). Al- Hayat Media Center, v. 2. Disponível em: https://azelin.files.wordpress.com/2014/07/islamic-state-e2809cdc481biq-magazine-2e280b3.pdf [Acesso em: 08 jan. 2019].

Derian, J. D. (2010). ‘Terrorismo no século XXI: real, virtual ou banal?’ In: Herz, M., Amaral, A. B. (Org.). Terrorismo e relações internacionais: perspectivas e desafios para o século XXI. Rio de Janeiro: Editora Puc-rio, p. 319-338.

Fonseca, G., Lasmar, J. M. (2017). Passaporte para o terror: os voluntários do Estado Islâmico. Curitiba: Appris.

França, V. R. V. (2004). ‘Representações, mediações e práticas comunicativas.’ In: Pereira, M., Gomes, R. C., Figueiredo, V. L. F. (Org.). Comunicação, representação e práticas sociais. Rio de Janeiro: Editora Puc-rio, p. 13-26.

Ikäheimo, H. (2015). ‘Conceptualizing Causes for Lack of Recognition: Capacities, Costs and Understanding.’ Studies In Social & Political Thought, Sussex, v. 25, p.25-43. Disponível em: http://journals.sussex.ac.uk/index.php/sspt/article/view/45/40 [Acesso em: 22 jan. 2019].

Lombardi, M. (2015). ‘IS 2.0 and Beyond: The Caliphate’s Communication Project.’ In: Maggioni, M., Magri, P. (Ed.). Twitter and Jihad: The Communication Strategy of ISIS. Milão: Edizioni Epoké. p. 83-122. Disponível em: https://www.ispionline.it/sites/default/files/pubblicazioni/twitter_and_jihad_en.pdf [Acesso em: 22 jan. 2019].

Markell, P. (2006). ‘Recognition and redistribution’. In: Dryzek, J. S., Honig, B., Phillips, A. (Ed.). The Oxford Handbook of Political Theory. Oxford: Oxford University Press, p. 450-469.

Medeiros, J. C. (2020). O Estado Islâmico: processos de produção de identidade nas capas da Dabiq Magazine. Dissertação de Mestrado, Comunicação/Universidade Federal Fluminense.

Mielniczuk, L. (2003). ‘Sistematizando alguns conhecimentos sobre o jornalismo na web.’ In: Machado, E., Palacios, M. (Org.). Modelos de Jornalismo Digital. Salvador: Edições GJOL, p. 38-54.

Napoleoni, L. (2015). A fênix islamista: o Estado Islâmico e a reconfiguração do Oriente Médio. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Palacios, M. (2003). ‘Ruptura, continuidade e potencialização no jornalismo on-line: o lugar da memória’. In: Machado, E., Palacios, M. (Org.). Modelos de Jornalismo Digital. Salvador: Edições GJOL, p. 14-36.

Pecequilo, C. S. (2004). Introdução às Relações Internacionais: Temas, atores e visões. Petrópolis: Editora Vozes.

Recuero, R. (2009). Redes sociais na internet. Porto Alegre: Editora Sulina.

Schmid, A. P. (2011). (Ed.). Handbook of terrorism research. Oxford: Routledge.

Santos, P. V. F., Herz, M., Medeiros, J. C. de. (2019). ‘(In)Seguranças e terrorismos: um estudo comparado entre as mídias online BBC e a Dabiq Magazine a partir dos ataques em Paris’. Intercom: Revista Brasileira de Ciências da Comunicação [online]. 2019, v. 42, n. 2, pp. 89-116. Disponível em: . Epub 19 Ago 2019. ISSN 1980-3508. https://doi.org/10.1590/1809-5844201925 [Acesso em: 14 dez. 2021].

Souza, H. J. (1996). Como se faz análise de conjuntura. Petrópolis: Editora Vozes.

Taylor, C. (2000). Argumentos filosóficos. São Paulo: Edições Loyola.

Van Dijck, J. (2011). 'Facebook as a Tool for Producing Sociality and Connectivity’. Television & New Media, [s.l.], v. 13, n. 2, p.160-176. SAGE Publications. http://dx.doi.org/10.1177/1527476411415291.

Veilleux-Lepage, Y. (2016). ‘Paradigmatic Shifts in Jihadism in Cyberspace: The Emerging Role of Unaffiliated Sympathizers in Islamic State’s Social Media Strategy’. Journal Of Terrorism Research, [s.l.], v. 7, n. 1, p.36-51. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/293440156_Paradigmatic_Shifts_in_Jihadism_in_Cyberspace_The_Emerging_Role_of_Unaffiliated_Sympathizers_in_Islamic_State's_Social_Media_Strategy [Acesso em: 15 jan. 2019].

Wainberg, J. A. (2005). Mídia e terror: Comunicação e violência política. São Paulo: Paulus.

Wood, G. (2017). A Guerra do Fim dos Tempos: o Estado Islâmico e o mundo que ele quer. São Paulo: Companhia das Letras.

Yayla, A. S. (2021). ‘Prevention of Recruitment to Terrorism’. In Schimid, A. P. (Ed.). Handbook of Terrorism Prevention and Preparedness. ICCT -The Hague, p. 396-442.

Zelin, A. Y. (2015). ‘Picture Or It Didn’t Happen: A Snapshot of the Islamic State’s Official Media Output’. Perspectives On Terrorism, [s.l.], v. 9, n. 4, p.85-97. Disponível em: https://www.washingtoninstitute.org/uploads/Documents/opeds/Zelin20150807-Perspectives.pdf [Acesso em: 15 jan. 2019].

Zelin, A. Y. (2019). Jihadology. Disponível em: https://jihadology.net/ [Acesso em: 15 jan. 2019].




DOI: https://doi.org/10.12957/rmi.2022.60962



Direitos autorais 2022 Jessika Cardoso de Medeiros

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Revista Mural Internacional | e-ISSN 2177-7314

PPGRI - Programa de Pós-Graduação em Relações Internacionais

Rua São Francisco Xavier, 524, Pavilhão - João Lyra Filho, 9ºandar, Bloco F, sala 9037, Maracanã, Rio de Janeiro, RJ - Cep: 20550-013 - Tel. fax: (021) 2334 0678 /// E.mail –ppgri.revista@gmail.com