Ideias e Agenda da Cooperação Prestada: o Caso do Prosavana | Ideas and delivered cooperation agenda: the ProSAVANA case

Laís Caroline Kuss

Resumo


Alguns fatores domésticos determinam a alocação da ajuda internacional, contribuindo com as abordagens que procuram uma interface entre o doméstico e o externo, o que não é diferente na cooperação brasileira. Neste trabalho, busca-se explorar um desses fatores, as ideias que, ao influenciarem a política externa e a cooperação prestada pelo Brasil, podem ter influenciado também a adoção do ProSAVANA na agenda da Política Externa Brasileira. Portanto, a partir de uma revisão bibliográfica e documental, depreende-se que o programa de cooperação triangular entre Brasil, Moçambique e Japão na área agrícola, assinado em 2009, sofreu influências de visões de mundo, crenças causais e normas de seu tempo. A exemplo disso, a identidade brasileira, enquanto modelo de país em desenvolvimento para os países africanos, e sua posição de liderança, buscada a nível global.

Palavras-chave: ideias; cooperação internacional; política externa; ProSAVANA.

ABSTRACT

Some domestic factors determine the allocation of international aid, contributing to approaches that seek an interface between the domestic and the external, that is not different in Brazilian cooperation. In this research, we seek exploring one of these factors, ideas, which influencing foreign policy and cooperation provided by Brazil, may also have influenced theadoption of ProSAVANA on the Brazilian Foreign Policy agenda. Therefore, from a bibliographic and documentary review, it appears that the program, triangular cooperation between Brazil, Mozambique and Japan in the agricultural area (signed in 2009) was influenced by worldviews, causal beliefs and norms of its time, such as Brazilian identity as a model of developing country for African countries and its leadership position, sought globally.

Keywords: ideas; international cooperation; foreign policy; ProSAVANA.

 

Recebido em: 10 abr. 2021 | Aceito em: 18 ago. 2021.


Palavras-chave


ideias; cooperação internacional; política externa; ProSAVANA

Texto completo:

PDF

Referências


ABC; JICA; MINAG. Memorandum de Entendimento sobre a Cooperação Triangular para o Desenvolvimento da Agricultura das Savanas Tropicais em Moçambique. Maputo, Moçambique, 17 de setembro de 2009.

Albuquerque, F. L. R. (2013). Atores e agendas da política externa brasileira para a África e a instrumentalização da cooperação em segurança alimentar. Dissertação de Mestrado, Relações Internacionais/Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Béland, D. (2009). ‘Ideas, institutions, and policy change’. Journal of European Public Policy,16(5), pp.701-718.

Blyth, M. (2003). ‘Structures do not come with an instruction: sheet interests, ideas, and progress in political’. Perspectives on Politics, 1(4), pp.695-7.

Catsossa, L. A. (2017). Discursos e realidades do agronegócio: do PRODECER no cerrado brasileiro ao ProSAVANA no corredor de Nacala em Moçambique. Dissertação de Mestrado, Geografia/ UFGD.

Cervo, A. L. (2003). ‘Política Exterior e Relações Internacionais do Brasil: enfoque paradigmático’. RBPI, 46(2), pp.5-25.

Clements, E. A. (2015). Brazilian policies and strategies for rural territorial development in Mozambique: South-South cooperation and the case of ProSAVANA and PAA. Dissertação de Mestrado, Ciência e Tecnologia/Universidade Estadual Paulista.

Cunha, R. C. (2009). ‘Preferências Domésticas e Instituições do Processo Decisório em Política Econômica Externa’. Revista de Ciências Sociais, 52(4), pp. 871-910.

Dauvergne, P.; Farias, D. B. (2012). ‘The rise of Brazil as a global development power’. Third World Quarterly, 33(5), pp.903-917.

Faria, C. A. P. (2003). ‘Ideias, conhecimento e políticas públicas: um inventário’. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 18(51), pp.21-28.

Fingermann, N. (2014). A cooperação trilateral brasileira em Moçambique–um estudo de caso comparado: o ProALIMENTOS e o ProSAVANA. Tese de Doutorado, Administração Pública, FGV.

Fonseca Jr., G. (1998). A Legitimidade e outras questões internacionais: poder e ética entre as nações. São Paulo: Paz e Terra.

França, J. M. (2013). Diplomacia, economia e refúgio: faces da relação Brasil-África no início do século XXI. Dissertação de Mestrado, Economia Política Internacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Funada-Classen, S. (2013). Análise do Discurso e dos Antecedentes do Programa ProSAVANA em Moçambique – enfoque no papel do Japão, Tóquio. Disponível em: http://www.open.ac.uk/technology/mozambique/sites/www.open.ac.uk.technology.mozambique/files/files/An%C3%A1lise%20do%20Discurso%20do%20ProSAVANA%20(Funada).pdf [Acesso em: 06 abril 2016].

Goldstein, J.; Keohane, R. O. (1993). Ideas and Foreign Policy: beliefes, institutions and political change. England: Cornell University Press.

Inocêncio, M.E. (2010). O Prodecer e as tramas do poder na territorialização do capital no cerrado. Tese de Doutorado, Ciências Humanas/Universidade Federal de Goiás.

IPEA; ABC (2013).’Cooperação brasileira para o desenvolvimento internacional’. Revista Brasília (2). Disponível em:http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/livros/livros/livro_ cooperacao_brasileira_ed02a.pdf [Acesso em:23 abril2017].

Kuss, L. C. (2017). A inclusão do ProSAVANA na agenda da cooperação triangular Brasil-Japão-Moçambique: contexto externo, relações bilaterais e contexto doméstico brasileiro. Dissertação de Mestrado, Relações Internacionais, UFSC.

Lacerda, J. M. de A. F. (2011). A contribuição da perspectiva construtivista para o estudo do PNUD e da OEA na Democracia Latino-Americana. Trabalho Acadêmico Orientado, Relações Internacionais/Universidade Estadual da Paraíba.

Lancaster, C. (2007). Foreign Aid: Diplomacy, Development, Domestic Politics. Chicago:TheUniversity of Chicago Press.

Lima, M. R. S. (2000). ‘Instituições democráticas e política externa’. Contexto Internacional, Rio de Janeiro, 22(2).

Lima, M. R. S. (2005). ‘A política externa brasileira e os desafios da cooperação Sul-Sul’. RBPI, 48(1), p.24-59.

Marques, J.; Spanakos, A. (2014). ‘South-South relations and the English School of International Relations: Chinese and Brazilian ideas and involvement in Sub-Saharan Africa’. RBPI, 57, pp.138-156.

Mello e Silva, A. (1998). ‘Ideias e política externa: a atuação brasileira na Liga das Nações da ONU’. RBPI,41(2), pp.139-158.

Mello e Silva, A. (1995). ‘O Brasil no continente e no mundo: atores e imagens na política externa contemporânea’. Estudos Históricos,8(15), pp. 95-118.

Pecequilo, C. S. (2008). ‘A política externa do Brasil no século XXI: os eixos combinados de cooperação horizontal e vertical’. RBPI,51(2), pp.136- 156.

Pinto, D. J. A.; Mesquita, L. R. (2012). Smart Power Brasileiro: a cooperação internacional como projeção de poder internacional. 1° Seminário Nacional de Pós-Graduação em Relações Internacionais da ABRI, Brasília.

Prosavana. (2015). O que é o ProSAVANA. Disponível em: http://www.prosavana.gov.mz/o-que-e-o-prosavana/?lang=pt-pt [Acesso em: 06 abril 2016].

Saraiva, M. G. (2010). A Política Externa Brasileira do Governo Lula: ideias e mudanças. 34º Encontro da ANPOCS. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/civitas/article/download/6030/5161 [Acesso em: 13 fevereiro 2017].

Saraiva, J. F. S. (2012). África parceira do Brasil atlântico: Relações internacionais do Brasil e da África no início do século XXI. Belo Horizonte: Fino Traço.

Saraiva, J. F. S.; Flemes, D. (2014). ‘Potências emergentes na ordem de redes: o caso do Brasil’. RBPI,57(2), pp.214-232.

Saraiva, M. G.; Valença, M. M. (2012). ‘A Política Externa Brasileira e sua Projeção Internacional: um projeto caracterizado pela continuidade’. CEBRI Artigos,1(VII).

Vaz, A. C.; Inoue, C. Y. A. (2007). Emerging Donors in International Development Assistance: the Brazil Case. Relatório de pesquisa, International Development Research Centre.

Vieitas, D.; Aboim, I. (2013) ‘África: oportunidades para empresas brasileiras’. Revista Brasileira de Comércio Exterior,116, pp.20-33.

Vigevani, T.; Cepaluni, G. (2007). ‘A Política Externa de Lula da Silva: a estratégia da Autonomia pela Diversificação’. Contexto Internacional,29(2).

Vigevani, T.; Oliveira, M.; Cintra, R. (2003). ‘A política externa no Período FHC: a busca de autonomia pela integração’. Revista Tempo Social,15(2), pp.31-61.




DOI: https://doi.org/10.12957/rmi.2021.59050



Direitos autorais 2021 Laís Caroline Kuss

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Revista Mural Internacional | e-ISSN 2177-7314

PPGRI - Programa de Pós-Graduação em Relações Internacionais

Rua São Francisco Xavier, 524, Pavilhão - João Lyra Filho, 9ºandar, Bloco F, sala 9037, Maracanã, Rio de Janeiro, RJ - Cep: 20550-013 - Tel. fax: (021) 2334 0678 /// E.mail –ppgri.revista@gmail.com