Potências e limites do cuidado em saúde: experiências de uma psicóloga residente.

Fernanda Maysa Borniotto, Adriana Barin de Azevedo

Resumo


Este artigo propõe identificar as potências e limites do cuidado em saúde, a partir da atuação de uma psicóloga em um Programa de Residência em Saúde. Buscou-se compreender os modos de cuidar em psicologia, na relação com outros profissionais de serviços de saúde, e perceber em que aspectos este cuidado é atravessado pela lógica da medicalização e biomedicalização. Trata-se de uma pesquisa-intervenção, inspirada no referencial da Análise Institucional, em que se utiliza o Diário de Pesquisa como ferramenta de registro de vivências, a partir do qual se constroem narrativas. Estas permitem acessar alguns analisadores discutidos dentro de três campos temáticos: Ser psicóloga residente; Corpos que se encontram e desencontram; e Medicalização e Biomedicalização. Foi possível compreender que o cuidado em psicologia, neste contexto, não se orienta pela cura do sofrimento, mas é permeado por limites inseparáveis da potência, própria aos modos de acolher um usuário, com a participação de familiares e profissionais.

 


Palavras-chave


Psicologia; Cuidado em Saúde; Residência Integrada Multiprofissional.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/mnemosine.2022.66395

Apontamentos

  • Não há apontamentos.