Sustentabilidade afetiva e resistência: um estudo sobre intervenções artísticas urbanas.

Mônica Tablas Martinez de Figueiredo, Sonia Regina Vargas Mansano

Resumo


A cidade é concebida por Guattari (1992) como uma máquina produtora de subjetividades. Presencia-se no contemporâneo, entretanto, uma tentativa de uniformização dos modos de vida em subjetividades formatadas e regida pela lógica do capital, que pode por em risco a própria vida. Esta pesquisa teve por objetivo investigar as práticas que rompem, em alguma medida, com essa lógica. O estudo voltou-se para as intervenções urbanas e o combate do uso do grafite e da pichação na cidade de São Paulo (Brasil) no período em que foi implantado o denominado “Programa Cidade Linda” (2017). Os resultados mostram que as intervenções urbanas geram afetos, críticas, polêmicas e possibilidades de construir uma relação diferenciada com a cidade. Ao final, argumenta-se que a noção de sustentabilidade afetiva na interface com o conceito de resistência ajudam a compreender como ocorre a experimentação de modos de vida voltados para a produção de encontros urbanos potencializadores.

 

 


Palavras-chave


sustentabilidade afetiva; resistência; arte.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/mnemosine.2022.66388

Apontamentos

  • Não há apontamentos.