Política socioeducativa, colonialidade e extermínio de vidas negras.

Sabrina Ribeiro Cordeiro, Acácio Augusto

Resumo


O Estado brasileiro, implicado em certa forma de governar, se apoia em divisões entre grupos que ocupam diferentes lugares na hierarquia social com recorte racial e que acessam assimetricamente as condições de participação política em processos decisórios de gestão das relações e de autodeterminação da vida. No jogo móvel e complexo da razão governamental, as vidas negras atravessadas pela política socioeducativa ocupam lugares esquadrinhados e pré-determinados na organização social, enquadradas em um itinerário que as conduz, não raro, à interrupção violenta da vida. Esse artigo, fruto de uma pesquisa realizada em meio ao fazer profissional de uma psicóloga na socioeducação, busca chaves para a compreensão dos atravessamentos do racismo e da colonialidade nas vidas negras que pelos espaços da política circulam, apontando para a descolonização e para a abolição das penas como caminhos para a construção de possíveis nesse cenário de destituição e morte.




Palavras-chave


Política socioeducativa; colonialidade; extermínio de vidas negras.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/mnemosine.2022.66380

Apontamentos

  • Não há apontamentos.