Um salto no escuro: experimentalidades entre corpo, arte e clínica na formação em psicologia

Adriana Rosa Cruz Santos, Catarina Resende, Clara Sym Cardoso de Souza Costa, Luiza Silva Loyola de Araújo, Maria Luiza de Carvalho Pardal Civiletti

Resumo


O estágio supervisionado na graduação em Psicologia é o plano de experimentação coletiva que emerge como aposta de formação na encruzilhada entre clínica e arte. Uma prática clínica transdisciplinar que se aproxima da arte de Hélio Oiticica como “forma de atividade” onde “possa emergir uma coletividade” por meio de apostas que propiciem “estados de invenção”. Desse modo, afirmamos a dimensão estética da clínica por meio de dispositivos que engajem os estudantes na criação de si mesmos como terapeutas e na invenção de relações de cuidado singulares entre o próprio grupo e com os clientes. Tal direção nos aproxima de Foucault e suas proposições do cuidado de si e da estética da existência para tomar a formação do psicólogo como construção de um ethos. Arte, corpo e clínica se entrelaçam na constituição de uma experiência de formação que transita entre os planos intensivo e extensivo da existência e expressa os efeitos deste trânsito como criação de si, de objetos, de mundos ao experimentar ressonâncias, dissonâncias e partilhas.


Palavras-chave


formação; corpo; arte

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.