Práticas de cuidados da alienação mental: o trabalho como prescrição terapêutica

Karla Gomes Nunes, Neuza Maria de Fátima Guareschi

Resumo


Este artigo analisa a emergência do trabalho como prescrição terapêutica no contexto da Assistência a Alienados em Minas Gerais, entre 1900 e 1934, com o objetivo de discutir três questões: 1) a vinculação entre a ação de fazer o louco trabalhar e uma prática terapêutica; 2) o modo como o trabalho é tomado pelas políticas e práticas alienistas brasileiras nas primeiras décadas do século XX; 3) os deslocamentos que se vinculam à prescrição do trabalho dentro e fora das instituições para alienados. Para o desenvolvimento desses objetivos, foram pesquisados documentos que tratam da criação da Assistência a Alienados e de seu ordenamento. A análise se fundamenta nas proposições foucaultianas, especialmente em suas formulações sobre o governo dos outros.


Palavras-chave


Alienação mental; Políticas públicas; Trabalho.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.