A recriação discursiva da tecnologia em Oswald de Andrade: uma leitura não convencional

Angela Maria Rubel Fanini

Resumo


A pesquisa focou a questão da tecnologia importada trazida para o Brasil, mormente da Europa, no período da República Velha e investigou como Oswald de Andrade integrou discursivamente essa realidade tecnoló­gica em sua obra Manifesto Pau-Brasil (1924). Oswald recria essa realidade de maneira dialógica, elaborando um retrato do país em que a cor local se manifesta a partir das tradições que remontam ao passado colonial e imperial, abarcando também uma certa cultura popular e do cotidiano em que a religiosidade, as crenças, as superstições entram em confronto e em sintonia com a modernidade tecnológica. Desse confronto, surge uma certa identidade nacional fruto de dimensões polarizadas, mas que se interpenetram, sem se excluírem. O recurso da dialogia é intensificado por uma perspectiva em que se manifestam os impasses e disjunções dessa polarização, como também de sua orgânica coexistência. Exploramos a articulação entre universo técnico e linguagem literária, tema pouco tratado nas leituras críticas da área de Letras.


Palavras-chave


Tecnologia; Discurso literário; Oswald de Andrade.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/matraga.2020.48645

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 


ISSN 1809-3507 | DOI: 10.12957/matraga


Palimpsesto é uma publicação do Programa de Pós-Graduação em Letras da UERJ:

UERJ >> Instituto de Letras >> Programa de Pós-graduação em Letras

 


Indexado nas seguintes bases:

 

Periodicos CAPES Latindex Find in a library with WorldCat MLA Livre DRJI MIAR BASE Logo University of Texas Libraries   UCLA Library University of Wisconsin - Madison Libraries EZB Google Acadêmico DOAJ Journal Tocs DOAJ


Licença Creative Commons

A Matraga utiliza uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.