A facilidade do apagamento da história: ‘Orra’, a rasura da voz feminina e a tragédia na loucura

Vanessa Cianconi

Resumo


A perversidade do século XIX vai além da simples definição do que é perverso no dicionário, a perversão de então estava no apagamento não somente da voz feminina, mas no apagamento do ato de ocultar os problemas da sociedade a serem discutidos na cena inglesa. Suprimir, esconder, tirar do palco as vozes que tinham o que dizer e eliminar o que poderia ser apresentado ao público a fim de faze-lo pensar. O teatro de Joanna Baillie tentou ser diferente enquanto argumentava que a mulher, isoladamente, não era suscetível ao medo supersticioso. Este artigo questiona o fato da peça Orra: A tragedy perfazer um caminho oposto ao defendido pela dramaturga em sua teoria da tragédia. No ato de enlouquecer ao final da peça, Orra, a mulher independente e forte de Baillie, se transforma na típica mulher fraca do século XIX e o apagamento acaba, por sua vez, sendo duplo, o da memória da dramaturga na história e o da sua personagem feminina.


Palavras-chave


Esquecimento; Joanna Baillie; teatro; século XIX

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/matraga.2019.37608

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 


ISSN 1809-3507 | DOI: 10.12957/matraga


Palimpsesto é uma publicação do Programa de Pós-Graduação em Letras da UERJ:

UERJ >> Instituto de Letras >> Programa de Pós-graduação em Letras

 


Indexado nas seguintes bases:

 

Periodicos CAPES Latindex Find in a library with WorldCat MLA Livre DRJI MIAR BASE Logo University of Texas Libraries   UCLA Library University of Wisconsin - Madison Libraries EZB Google Acadêmico DOAJ Journal Tocs DOAJ


Licença Creative Commons

A Matraga utiliza uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.