O papel de 'O dia dos prodígios', de Lídia Jorge, na fundação da prosa portuguesa contemporânea

Mauro Dunder

Resumo


Este artigo apresenta considerações a respeito de O dia dos prodígios (1980), romance de estreia da escritora portuguesa Lídia Jorge, e seu estabelecimento como um dos romances fundadores da prosa contemporânea daquela literatura. Por apresentar aspectos inovadores, os quais apontam para um processo de ruptura com a geração que o antecedeu, O dia dos prodígios foi considerado pelo filósofo Eduardo Lourenço como um romance-chave para compreender a Revolução dos Cravos (1974) e suas consequências, com o distanciamento de seis anos em relação ao levante. A partir dessa constatação, este artigo discutirá os principais aspectos transformadores do romance, no sentido de confirmar seu caráter fundador, o qual, diga-se, se dá em conjunto com outras obras publicadas em seu entorno temporal.


Palavras-chave


prosa portuguesa contemporânea; Lídia Jorge; O dia dos prodígios; texto fundador.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/matraga.2019.37284

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 


ISSN 1809-3507 | DOI: 10.12957/matraga


Palimpsesto é uma publicação do Programa de Pós-Graduação em Letras da UERJ:

UERJ >> Instituto de Letras >> Programa de Pós-graduação em Letras

 


Indexado nas seguintes bases:

 

Periodicos CAPES Latindex Find in a library with WorldCat MLA Livre DRJI MIAR BASE Logo University of Texas Libraries   UCLA Library University of Wisconsin - Madison Libraries EZB Google Acadêmico DOAJ Journal Tocs DOAJ


Licença Creative Commons

A Matraga utiliza uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.